Cinema: Museu da Imagem e Som realiza Mostra Arvore-ser com filmes nacionais

O Museu da Imagem e do Som, unidade da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, em parceria com o Cineclube Arvore-ser, realiza nesta quarta e sexta-feira, dias 23 e 25 de outubro, sempre às 19 horas, a Mostra Arvore-ser de Cinema, com filmes brasileiros.

 

Serão exibidos os longas Bicho de Sete Cabeças, dirigido por Laís Bodanzky, e Carandiru, com direção de Hector Babenco. A curadoria é de Marianny Nantes e a entrada é franca.

 

 

Bicho de Sete Cabeças será exibido no dia 23, e conta a história do adolescente Neto (Rodrigo Santoro), que gosta de desafiar o perigo e comete pequenas rebeldias incompreendidas pelos pais, como pichar os muros da cidade com os amigos, usar brinco e fumar um baseado de vez em quando. Mas seus pais (Othon Bastos e Cássia Kiss) levam as experiências de Neto muito a sério e, sentindo que estão perdendo o controle, resolvem trancafiá-lo num hospital psiquiátrico. No manicômio, neto conhece uma realidade desumana e vive emoções e horrores que ele nunca imaginou que pudessem existir. O filme tem duração de 74 minutos e classificação de 14 anos.

 

 

No dia 25, sexta-feira, será exibido o filme Carandiru, em que um médico (Luiz Carlos Vasconcelos) se oferece para realizar um trabalho de prevenção à Aids no maior presídio da América Latina, o Carandiru. Lá ele convive com a realidade atrás das grades, que inclui violência, superlotação das celas e instalações precárias. Porém, apesar de todos os problemas, o médico logo percebe que os prisioneiros não são figuras demoníacas, existindo dentro da prisão solidariedade, organização e uma grande vontade de viver. O filme tem duração de 146 minutos e classificação de 16 anos.

 

O Cineclube Árvore-ser, que é parceiro do MIS nesta Mostra, é um projeto independente de estudantes universitários, que surgiu em 2016 com o objetivo de proporcionar o acesso à cultura na cidade e provocar o debate sobre temas ligados à filosofia e educação.

 

O início das atividades do Árvore-ser foi com o Café Filosófico na Casa Fernando Pessoa, no bairro Villas Boas, em abril de 2016, como ideia do estudante de Filosofia da UFMS, Alyson Ladislau. A parceria com o MIS iniciou-se no ano passado, com a exibição de Blade Runner.

 

Um dos integrantes do Cineclube, o estudante de Arquitetura da Uniderp, Douglas Setorowicz, explica que o nome do grupo surgiu a partir da obra de Manoel de Barros. “Arvore-ser é a pessoa que tenta evoluir a partir disso, do estado de ser árvore. Visamos trazer pessoas novas para, com o objeto do filme, tratar da nossa realidade, para trazer algum tipo de debate para refletir sobre algumas situações da nossa realidade. A gente tenta fazer essa interação das pessoas com a cultura e a educação”.

 

O MIS fica no 3º andar do Memorial da Cultura, na Avenida Fernando Correa da Costa, 559, Centro. Telefone: (67) 3316-9178.

Noites de happy hour com samba, blues, rock e pop no Sesc Morada dos Baís, na Capital

Não falta animação na programação desta semana do Sesc Morada dos Baís, que leva ao público muito samba, músicas pop, além de blues e rock, agradando amantes de diversas vertentes da música. As apresentações começam sempre às 19h30, abertas ao público, respeitando a lotação do espaço.

 

Quem abre a semana musical na quarta-feira, 23, é o sambista Chokito, com bagagem musical acumulada em mais de duas décadas de estrada.

 

Na quinta, 24, tem Beatles Maníacos que resgata a memória do quarteto de Liverpool. A caracterização faz parte da proposta do grupo, remetendo à década de 60. Nos shows são apresentadas as canções mais conhecidas dos Beatles, interpretadas da forma mais fiel possível, mantendo-se os arranjos originais.

 

A semana musical segue com o blues de Ivan Márcio na sexta-feira, 25. Ivan se destaca pelo feito de ter gravado, em seis anos, três discos com grandes mestres do Blues, em Chicago, com músicas de sua autoria e também clássicos.

 

Chicão Castro e Fabinho encerram a semana musical no sábado, 26, uma parceria que tem feito muito sucesso na noite campo-grandense, levando MPB e pop com arranjos próprios e forte dose de animação ao público.

 

O Sesc Morada dos Baís fica na Avenida Noroeste, 5140. Informações pelo telefone (67) 3311-4300. O espaço bistrô é aberto às 18h30 e as apresentações musicais começam às 19h30. Acompanhe a programação no site sesc.ms

Orquestra paraguaia que usa instrumentos feitos de materiais recicláveis se apresentará no Fasp

Como o lixo pode se transformar em música e esta música transformar a realidade social de uma comunidade? A resposta o público vai poder conferir durante o Festival América do Sul Pantanal 2019. A Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura, no Paraguai, vai se apresentar na abertura oficial, no dia 14 de novembro, às 21 horas, na Praça Generoso Ponce, em Corumbá.

 

A Orquestra de Instrumentos Reciclados de Cateura é a primeira orquestra do mundo a usar instrumentos feitos a partir de produtos reciclados do lixo. A orquestra surgiu a partir de uma oficina de educação musical direcionada para crianças e adolescentes da comunidade de mesmo nome, formada a partir do lixão no subúrbio de Assunção, no Paraguai.

 

 

A dificuldade foi conseguir instrumentos para todos os participantes, problema que o professor de música, Flávio Chavez, e o diretor da orquestra, Luis Szaran, solucionaram com a ajuda de um morador da favela, Nicolas Gomez. O artesão Nicolas começou a fabricar os instrumentos com objetos retirados do aterro sanitário de onde os pais das crianças tiram o sustento como catadores de lixo.

 

O repertório principal é a música clássica, mas a orquestra também interpreta sucessos do pop, do rock’n’roll e canções regionais da guarânia e polca paraguaia. O grupo já se apresentou em vários países do mundo, inclusive no Brasil, em 2012, na Rio +20.

 

 

Em 2010, foi feito um documentário sobre a orquestra, do diretor estadunidense Graham Townsley, que o dirigiu com Brad Algood e Juliana Peñaranda-Loftus. O filme estreou em 18 de março de 2015, nos Estados Unidos, e atualmente está sendo exibido na TV por cabo, no Brasil.

 

Toda esta beleza, a poesia da transformação da realidade de uma comunidade onde a taxa de criminalidade era alta e a pobreza e falta de oportunidades imperavam, vai poder ser vista, ouvida e sentida durante o Festival América do Sul Pantanal 2019. A música que vem do lixo, que transforma e atribui significado à vida vai ser apresentada no dia 14 de novembro, às 21 horas, na Praça Generoso Ponce, em Corumbá. Venha para o Festival conferir estas e outras atrações. Tudo de graça!

 

Apoio 

 

São parceiros do FASP 2019: Sanesul (Empresa de Saneamento Básico de Mato Grosso do Sul), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), Vale, MS Gás e Caixa Econômica Federal.

 

Fotos: Flávio Chavez

 

Arte da Palavra do Sesc leva a Corumbá Circuito de Oralidades com poeta e atriz Luna Vitrolira

No dia 24 de outubro, quinta-feira, às 19 horas, o Sesc Corumbá recebe mais uma etapa do Arte da Palavra Rede Sesc de Leituras, desta vez com o circuito Oralidades, promovendo um encontro do público com Luna Vitrolira.

 

Luana é poeta, declamadora, atriz, performer, arte educadora, professora de literatura brasileira, pesquisadora da literatura oral, produtora e idealizadora dos projetos de circulação nacional Estados em Poesia e De Repente uma Glosa e integrante da cena artística pernambucana.

 

O Arte da Palavra 

 

Rede Sesc de Leituras é um circuito nacional de circulação literária do Departamento Nacional do Sesc. Contempla ações em todas as cadeias da literatura, trazendo autores de todas as regiões do País, desde a formação e divulgação de novos escritores, a valorização das obras e escritores brasileiros e as novas formas de produção e fruição literária que se dá a partir dos debates que trarão nomes de peso da literatura contemporânea nacional.

 

O Sesc Corumbá fica na rua 13 de junho, 1703 – Centro. Informações pelo telefone (67) 3232-3130. Acompanhe a programação do Sesc no site sesc.ms

No Marco, na Capital, grupo fará desenhos no domingo a partir de paisagens locais

O Urban Sketchers Campo Grande-MS realiza seu 5º encontro no próximo domingo (20), das 15 às 18 horas, ocasião em que serão realizados desenhos de locação através de observação direta no Museu de Arte Contemporânea (Marco), unidade da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

 

O objetivo do evento é incrementar valores documentais, educacionais e artísticos, do desenho de locação, promovendo sua prática e conectando pessoas ao redor do mundo em suas cidades e em suas viagens, seja em ambientes externos ou internos, contando histórias do dia a dia, registrando o tempo e o lugar, valorizando qualquer tipo de técnica e cada estilo individual, mas ao mesmo tempo apoiando a produção coletiva e o compartilhamento desses desenhos on-line

.

 

A ideia de montar o grupo em Campo Grande, surgiu de uma conversa em julho desse ano entre as arquitetas Márcia Ribeiro e Bia Meneghine e perceberam que não havia um grupo ativo de desenho ao ar livre aqui na cidade, ai resolveram compartilhar essa ideia com os designers Roberto Araújo e Cássio Shimizu e a artista plástica Sandra Campanate e estruturar o projeto para colocá-lo em prática. De lá para cá, já foram realizadas 4 edições em espaços diversos da capital, como a Morada dos Bais, a Ferroviária, o Santuário Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e a área interna da Esplanada Ferroviária.

 

“O evento é gratuito e aberto a toda sociedade, quem quiser vir participar, desenhar também, é só trazer seu material, quem quiser vir conhecer mais sobre a proposta, as técnicas, também será bem vindo, a ideia é unir pessoas, debater a arte, trocar experiências por meio da cultura, interagindo nesses espaços públicos que fazem parte da história da nossa cidade”, convida animada a arquiteta Márcia Ribeiro, uma das organizadoras do evento.

 

 

 

Urban Sketchers no mundo 

 

 Depois de observar um número cada vez maior de pessoas compartilhando seus desenhos de locação (feitos ao ar livre) na web, o jornalista espanhol e residente nos Estados Unidos, Gabriel Campanario criou em 2008, o blog www.urbansketchers.org para reunir entusiastas desse tipo de atividade artística.

 

Desde então esse grupo vem crescendo rapidamente, contando hoje com mais de 200 grupos regionais oficiais que mantém as mais diversas atividades regulares envolvendo a prática e a divulgação do desenho de rua (Official Regional Chapters), reunindo assim dezenas de milhares de pessoas na internet e em seus encontros regionais e internacionais.

 

O Marco está situado à Rua Antônio Maria Coelho, 6000 no Parque das Nações Indígenas. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3326-7449.

 

Sesc Cultura: peça teatral sobre a dualidade da mulher no espaço urbano e na reserva indígena

Nos dias 23 e 24 de outubro, às 20 horas, o Sesc Cultura, em Campo Grande, recebe o espetáculo “Jaity Muro”, um trabalho cênico que transita entre as linguagens do teatro e da performance e explora os lugares de fala de uma mulher que vive no espaço urbano douradense e de uma mulher que vive na Reserva Indígena, acreditando na premissa feminista de que “o pessoal é político”.

 

O termo Jaity, na língua kaiowá, significa “derrubamos” ou “derrubemos”, na peça, o muro surge como um elemento que remete a sentimentos de medo e solidão, mas também como espaço de fronteira, de troca e de encontro. A ideia é desconstruir separações binárias entre dois modos de ser mulher na cidade, mas também dar visibilidade a muros concretos e simbólicos que permeiam o espaço social atual.

 

A dramaturgia parte da experiência pessoal das artistas Kuña Poty Rajegua (Rossandra Cabreira) e Júnia Pereira com a cidade de Dourados e foi criada a partir de experimentações com objetos, sons, imagens, rituais, ações que nascem de vivências com a cidade em sua dualidade aldeia/espaço urbano. A direção é de Karla Neves, com cenografia e iluminação de Gil Esper, e trilha sonora de Igor Schiavo. Entre os responsáveis pelos vídeos, além das protagonistas, estão Juvenal Hermes da Silva e Rafael de Abreu.

 

Sobre a Cia. Orendive

 

O grupo Orendive surgiu em 2017 a partir da montagem do trabalho Jaity Muro. Na língua kaiowá, o termo orendive pode ser traduzido por “nós juntos” ou “conosco”. Formado por Júnia Pereira, Karla Neves e Rossandra Cabreira, o grupo nasce de pesquisa desenvolvida no contexto do curso de Artes Cênicas da UFGD e tem como proposta a criação intercultural, envolvendo pessoas indígenas e não indígenas. Também são referências para o trabalho do grupo o teatro performativo, as ações de convívio e os teatros do real.

 

O Sesc Cultura está situado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. Informações pelo telefone 3311-4300. O funcionamento é de terça-feira a sábado das 13h às 21h30 e da Central de relacionamento: 13h às 17h30 e das 19h às 21h30. A Biblioteca atende das 13h às 21h30 e a Galeria de Arte fica aberta das 13h às 21h30.  Acompanhe a programação no site sesc.ms

No Sesc Cultura, criançada aprende a fazer brinquedos, desenhar histórias e tem teatro

As atividades do Sesc Cultura no Mês da Criança vão aguçar a criatividade e divertir. A participação é gratuita. No dia 18, sexta, às 15 horas, haverá oficina de construção de brinquedos, com Ramona Rodrigues, voltada a crianças a partir de 07 anos. As crianças vão aprender a criar o próprio brinquedo, a partir do reaproveitamento de materiais, desenvolvendo a criatividade e habilidades motoras.

 

No sábado, 19, às 15h, ocorre a oficina para os pequenos, com idade entre 04 e 07 anos, desta vez sobre histórias desenhadas. É preciso levar lápis, borracha, fita crepe, apontador, canetinhas hidrocor, lápis de cor e uma folha de papel color set de qualquer cor.

 

Às 16h30 haverá o Teatro de bonecos “Pantanália”, um musical pantaneiro com formas e movimentos que retratam a vida de aves, peixes e animais, do nascer do sol ao entardecer.

 

O Cine Clubinho, às 17h30, terá exibição de mais curtas da Mostra Infantil Itinerante do Festival Internacional de Cinema “Nueva Mirada”. Desta vez Ormie; Rodas, band-aids e pirutos; Kostya; Lumi; Aula de natação; Corrida; Grande prêmio e O príncipe rato.

 

Serviço – O Sesc Cultura está localizado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. Informações pelo telefone 3311-4300. O funcionamento é de terça-feira a sábado das 13h às 21h30 e da Central de relacionamento: 13h às 17h30 e das 19h às 21h30. A Biblioteca atende das 13h às 21h30 e a Galeria de Arte fica aberta das 13h às 21h30.

Com foco na integração das artes, Fundação de Cultura lança FASP 2019 na Governadoria

O Festival América do Sul Pantanal une pela arte, gastronomia e inclusão pessoas de idiomas e costumes diferentes, mas com muito a compartilhar em quatro dias de intensa troca cultural. O ponto de encontro entre 14 e 17 de novembro é a fascinante Corumbá. E o lançamento desta grande festa organizada pela Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul acontece no dia 16 de outubro (quarta), às 9h, no auditório da Governadoria.

 

O evento de lançamento contará com a participação do cantor Zezé Di Camargo, cujo show com o irmão Luciano abre o décimo quinto Festival América do Sul Pantanal. Na ocasião também serão divulgadas as demais atrações musicais que se apresentarão no Palco Integração. Já os artistas sul-mato-grossenses que participarão desta grande festa nas mais variadas propostas – artes cênicas, dança, música, cinema, artesanato e economia criativa – já foram selecionados e podem ser conhecidos aqui.

 

Com programação intensa e totalmente aberta ao publico, o Festival América do Sul Pantanal contará com apresentações musicais em três palcos especiais: Integração, onde ocorrem os maiores espetáculos, no Moinho Cultural, com um som mais “intimista” e em Ladário, cidade irmã que mais uma vez participa do evento. Artistas nacionais, músicos de nosso Estado e de outros países sul-americanos se integram em uma programação plural, definitivamente para todos os gostos.

 

Palcos também não faltarão para as apresentações de grupos teatrais, circenses e de dança sul-mato-grossenses, que terão a companhia de coletivos do Peru, Argentina, Bolivia e Uruguai. Peças que desvendam nossas alegrias e fraquezas, encantamento que o só o teatro é capaz de causar; coreografias impactantes, que unem energia e suavidade, a alegria e magia contagiantes do circo. Tudo aberto ao público, em palcos na Praça da Independência, no espaço Caixa Cênica e na Tenda Rio Paraguai, no Porto Geral.

 

Os já tradicionais pavilhões das Artes Visuais e da Economia Criativa revelam muito sobre nossa cultura e, claro, também abrem espaço para as inspirações e a criatividade de artistas e empreendedores de diferentes perfis. Oportunidade para conhecer obras selecionadas por edital pelo Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul com suas múltiplas cores, formas e propostas. Excelente ocasião também de conhecer destaques do setor criativo, como estandes de moda, design, editoriais e gastronomia.

 

Pavilhão dos Países receberá as plurais inspirações de artesãos sul-mato-grossenses e de artistas da Colômbia, Argentina, Paraguai, Bolívia, Peru e Venezuela. Todas as peças, que revelam traços culturais marcantes de suas origens, serão comercializadas. Também serão realizadas oficinas de criação por mestres da área e confecção de carteiras nacionais de artesão, documento nacional que possibilita a venda de peças em eventos nacionais, como o próprio FASP e feiras pelo Brasil.

 

Quebra-Torto – Pantaneiro em seu jeito, multicultural pela própria diversidade que acolhe. Música, contação de causos, lançamentos editoriais e debates em um espaço de grande beleza. Tudo isso com o gosto da culinária regional e sua deliciosa fartura. O Quebra-Torto com Letras mais uma vez revela traços especiais de nossa cultura e do folclore de todas as regiões do Estado. Terá nesta edição uma programação voltada para a integração, com a participação do escritor e professor uruguaio Fabian Severo e da também escritora argentina Selva Almada.

 

Homenagem 

 

O rio que encanta os turistas que visitam Corumbá, que é alvo de fotos e videos, cenário de passeios e pano de fundo de encantamento e declarações de amor é o grande homenageado desta edição do Festival América do Sul Pantanal. E muito além de sua beleza e sua presença constante como cenário das atrações, o Rio Paraguai é o elo que nos une como irmãos sul-americanos.

 

Pelas suas águas Corumbá recebeu diferentes povos e suas variadas influencias culturais. O rio que alimenta, que transporta e que diverte é a razão de ser das cidades irmãs. Aspecto geográfico de disputa e divisão fronteiriça no passado, seu verdadeiro dom é o da integração. E lugar melhor para celebrar esta dádiva não há.

 

Nas palavras de Zito Ferrari, da Assessoria de Projetos da Fundação de Cultura: “O rio que divide os espaços, as nações, as culturas e as pessoas, é o mesmo rio que une, acolhe e abraça as diferenças para engrandecer o local”.

 

Mostra Rua – Grafitte, oficinas de passinho, slam e de videoclipe, batalha do porto. A arte em constante evolução que vem das ruas, da influência da cultura Hip Hop e que também prega a integração mais uma vez ganha espaço no Festival América do Sul Pantanal. As atividades acontecem no Porto Geral e nos bairros da cidade.

 

Cinema – Filmes que ainda fazem sucesso nas salas de cinema do Brasil e longas metragem premiados internacionalmente estão na seleção de atrações da sétima arte no Festival América do Sul Pantanal. Serão exibidos, sempre com entrada franca: “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho, “Turma da Monica – Laços”, de Daniel Rezende, o premiado “As Herdeiras” (Paraguai), a refilmagem do clássico “Beijo no Asfalto”, de Murilo Benício e “Uma Noite de Doze Anos”, que conta a jornada de sobrevivência de três revolucionários uruguaios, entre eles o ex-presidente José Mujica.

 

Celebração continental – Uma oportunidade de enaltecer nossas identidades culturais e a união de nações com trajetórias muito próximas. O Festival América do Sul Pantanal promove encontros que valorizam a diversidade cultural do continente, a criação e fruição de riquezas, o intercâmbio, a revelação de experiências e debates de temas relativos à cultura, à cidadania, ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável.

 

Para Mara Caseiro, diretora-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso de Sul, a realização do FASP é uma oportunidade de garantir a integração cultural dos países e, consequentemente, fomentar a economia de Corumbá e do Estado. “Apesar das dificuldades de um momento de estagnação econômica, o Governo do Estado trabalha para manter este evento tão importante do nosso calendário cultural. Um Festival único no país, que consolida os valores de união entre povos”.

Fundação de Cultura leva teatro à crianças do Distrito de Taboco, no município de Corguinho

Com apoio da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, crianças da Escola Municipal Francisco Nogueira Sobrinho, do Distrito de Taboco, em Corguinho, prestigiaram apresentação de teatro do grupo Bons Jovens, na quinta-feira (10). A exibição da peça aconteceu durante festa em comemoração ao Dia das Crianças.

 

 

“Pelo terceiro ano consecutivo nós realizamos um evento voltado especialmente para as crianças. Agradeço o apoio do governador Reinaldo Azambuja e da presidente da Fundação de Cultura, Mara Caseiro, que com muito carinho foram nossos parceiros nessa comemoração”, declarou a prefeita de Corguinho, Marcela Ribeiro.

 

Além do teatro, as crianças desfrutaram de lanche, atividades lúdicas e muitas brincadeiras. “Graças ao apoio que temos recebido dos nossos parceiros, essa festa foi um sucesso! Juntos somos mais fortes”, ressaltou a prefeita.

 

Ao saber da alegria das crianças, a presidente da Fundação de Cultura destacou o olhar sensível do governador com a promoção da cultura e da arte. “Tanto o governador Reinaldo Azambuja quanto nós da Fundação, temos como meta a promoção de ações culturais em todo o Estado. Todos os nossos 79 municípios merecem desfrutar da  arte e da cultura, tão essenciais para o desenvolvimento do ser humano”, disse Mara.

 

Assim como a Fundação de Cultura, a festa no distrito de Taboco também teve como colaboradores a prefeita Marcela, o presidente da Câmara Municipal, vereador Adalzizo Paraguassu, o secretário de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Jeffer Aparecido, bem como de professores e empresários do município.