Na Capital, noites de happy hour do Morada dos Baís tem samba, reggae, rock e MPB; confira

A semana musical do Sesc Morada dos Baís começa com apresentação de Negabi, na quarta-feira, 29, com um show marcado por sua voz suave, com um repertório cheio de pérolas do samba, como Clara Nunes, Beth Carvalho, Martinho da Vila e Alcione. As apresentações têm início sempre às 20 horas, abertas ao público e sujeitas à lotação do espaço, para 350 pessoas.

 

Quinta,30, é a vez da Banda Xapa levar um pop rock e reggae. O grupo reúne os amigos Raphael Xapa (Vocal e Violão), Junior Capilé (Contra-Baixo e Vocal) e José Filipe Bortot (Cajon e Vocal). A apresentação propõe um passeio pela MPB, Pop Rock, Soul Music, além de composições próprias.

 

Sexta-feira, 31, é noite de Beatles Maníacos, banda que resgata a memória do quarteto de Liverpool, com um som cuidadosamente regulado para simular os timbres da época, na tentativa de fazer com que as apresentações possam levar o público a uma viagem no tempo.

 

Junho começa com novidade. No sábado, 01, quem sobe ao palco é o cantor Fábio Catanante, que já fez aparições em programas televisivos nacionais e leva no repertório MPB e bagagem acumulada por duas décadas, com participação em bandas de variados estilos musicais da Capital, com presença em animação de recepções, casamentos e também apresentação em bares da cidade.

 

O Sesc Morada dos Baís fica na Avenida Noroeste, 5140. Informações pelo telefone (67) 3311-4300. O espaço bistrô é aberto às 18h30 e as apresentações musicais começam às 20h. Acompanhe a programação no site sesc.ms

Festival de Inverno 2019 levará espetáculos para assentamentos e distritos de Bonito

O Festival de Inverno de Bonito 2019 traz uma programação na área de Artes Cênicas recheada de novidades, para agradar a todos os públicos. Vai ter teatro infantil de bonecos, teatro de sombras, dança vertical, circo de variedades e teatro popular, no Palco da Praça, no Centro de Bonito, e também nos distritos e assentamentos dos arredores.

 

“O Festival de Bonito é um momento ímpar para a Cultura de Mato Grosso do Sul, e levar teatro, circo e dança não só para a população do Estado e para os turistas do Brasil e do mundo, mas também para os bairros e lugares onde o acesso a essas apresentações é mais difícil, é muito importante e gratificante”, afirma Mara Caseiro, diretora-presidente da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

 

A programação começa no dia 20 de julho, no Distrito Águas de Miranda, com o espetáculo “Iara – O encanto das águas”, da Cia Lumiato. Este espetáculo infanto-juvenil de teatro de sombras, inspirado na lenda da Iara, a sereia brasileira, e nos saberes da tradição oral dos povos originários do Brasil, é de classificação livre, com 40 minutos de duração.

 

A encenação usa a dinâmica cinematográfica, onde o espectador tem a impressão de estar assistindo um filme. A narrativa é de fácil entendimento, utilizando pouco texto. Depois da apresentação o público pode ver de perto o material cênico do espetáculo e bater um papo com os artistas. A direção, dramaturgia e cenografia  é de Alexandre Fávero, encenada pelos atores sombristas Thiago Bresani e Soledad Garcia.

 

O espetáculo será apresentado também no dia 21, no  Assentamento Guaicurus e no dia 25, na Caixa Cênica, em Bonito. A Cia Lumiato ministra uma Oficina de teatro de sombras nos dias 22, 23 e 24 de julho, das 18 às 22 horas.

 

A Cia Trucks, de São Paulo, traz o espetáculo “Expedição Pacífico” para o Festival. No dia 22, a apresentação será na Vila Machado, às 18 horas; no dia 23, no Bairro Planalto e Vila América, às 18 horas; no dia 24, no Bairro Marambaia, às 18 horas e no dia 26, na Caixa Cênica, em Bonito.

 

“Expedição Pacífico” é o mais novo espetáculo da Cia Trucks, em que o grupo trata de fazer, da grande Ilha de lixo que cresce a cada dia em algum ponto do Oceano Pacífico, cuja extensão já é maior do que vários Estados do Brasil juntos, uma sutil alegoria de situações da cidade de São Paulo. Na Grande Ilha de Lixo do Pacífico é que vão parar toda a sorte de detritos e rejeitos da nossa humanidade.

 

Foto: Alberto Rocha

 

Conduzindo uma carroça de lixo repleta de descartes, vemos, nas figuras de dois “carroceiros”, o ser humano marginalizado pela sociedade, tratado à deriva pelos asfaltos, tal como o lixo que navega pelo oceano. Os dois criativos catadores de lixo são capazes de construir, de quase nada – apenas sacolas e lonas plásticas – um mundo fantástico, de diversão, bom humor e muitos sonhos. Na medida em que recolhem o lixo da grande cidade, o transformam em verdadeira poesia visual, criando belíssimas imagens, divertidas criaturas e incríveis cenários para onde são capazes de viajar, e onde viverão as suas pequenas aventuras e brincadeiras.

 

O texto é de Henrique Sitchin, Gabriel Sitchin e Rogério Uchoas, com direção de Henrique Sitchin. No elenco, Gabriel Sitchin e Rogério Uchoas.

 

O Palco da Praça recebe no dia 25, às 19 horas, o espetáculo “Vertebral” do Grupo Ares de dança.  O Espetáculo tem uma área de investigação na qual a presença do risco permanente atravessa o corpo dançante e acrobático em situações de desequilíbrio, suspensão, torções, queda e recuperação.

 

 

Firmes como pedra e fluidas como água, cada vértebra possui uma coluna e um sistema nervoso próprio. O Vertebral alterna desse modo, composições coletivas e sós, mudando e dinamizando a trama visual.

 

A coreografia é de Weidysan e Monica Alla, com interpretação-criação de Alan Quinquinel, Diego Oliveira, Dheborah Giorgia, Flor Reeves, Gita Govinda, Jacques Alejo, Joy Domingoz, Lana Borges, Laila Rebelo e Luciene Bafa. Cantora: Lana Borges e figurinos de Márcio Vinícius.

 

E como não poderia ficar de fora, o circo estará presente no Festival no dia 26, no Palco da Praça, às 19 horas, com o “Espetáculo do Circo Zanni”. Circo Zanni surgiu com o intuito de resgatar a importância dos espetáculos de circo apresentados na lona em centros urbanos. O novo espetáculo do Circo Zanni dentro da lona de circo, resgata a magia e a tradição do espetáculo circense reinventado com excelência para o público das cidades por onde ele tem passado.

 

 

O Circo Zanni foi criado em 2004 por Isabella Mucci, Fernando Sampaio, Domingos Montagner, Marcelo Lujan, Pablo Nordio, Luciana Menin, Erica Stoppel, Maíra Campos e Daniel Pedro, artistas circenses com formação e características diversificadas. E um espetáculo de variedades, com uma estrutura próxima do circo clássico, com banda ao vivo formada pelos seus acrobatas, trapezistas, palhaços e malabaristas.

 

Encerrando a programação de Artes Cênicas, o Grupo Galpão traz a Bonito no dia 27, às 18 horas, a peça “Os gigantes da montanha”, fábula escrita por Luigi Pirandello. A peça narra a chegada de uma companhia teatral decadente a uma vila mágica, povoada por fantasmas e governada pelo Mago Cotrone.

 

É uma alegoria sobre o valor do teatro e, por extensão, da poesia e da arte e sua capacidade de comunicação com o mundo moderno, cada vez mais pragmático e empenhado nos afazeres materiais. A classificação é livre, e a duração é de 90 minutos. Direção de Gabriel Villela e dramaturgia de Eduardo Moreira e Gabriel Villela.

Festival de Inverno de Bonito terá shows com Gal Costa, Lenine e Chrystian e Ralf

O Festival de Inverno de Bonito 2019 terá como atrações nacionais a dupla Chrystian e Ralf, a cantora Gal Costa e o músico Lenine. Os artistas sobem ao Palco das Águas nos dias 25, 27 e 28 de julho, respectivamente.

 

Abrindo a programação de shows nacionais, a dupla reconhecida como a mais afinada do Brasil, Chrystian e Ralf, traz a Bonito o show de sua turnê 2019. Famosa pelo som agudo de suas canções, a dupla já lançou 20 álbuns e 34 coletâneas e 6 DVDs. Além dos atuais vídeos independentes, também os famosos Pockets.

 

Reconhecida nacionalmente e internacionalmente, foi a primeira dupla sertaneja a gravar em formato de CD, foi também a primeira dupla a vender 1 milhão de cópias de LPs, o que foi considerado um feito histórico nos anos de 1988 a 1990, feito alcançado somente pelo “rei” Roberto Carlos.

 

A dupla Chrystian & Ralf é famosa por ter várias músicas como tema de novelas. Só o CD da novela Rei do Gado, com a música Minha Gioconda (com a participação de Agnaldo Rayol), vendeu mais de um milhão de cópias, e gravado no ano de 1996. Sucessos como “Cheiro de Shampoo”, “Chora Peito”, “Sou eu”, “Nova York” embalaram gerações e estão no repertório dos brasileiros.

 

A brasileiríssima Gal Costa traz para o Palco das Águas na noite de 27 de julho o show “Pele do Futuro”. Ao longo das últimas cinco décadas, a voz de Gal Costa foi uma das mais importantes para traduzir diferentes momentos pelos quais o País atravessou. No final dos anos 1960/início dos das 1970, se tornou um símbolo daqueles que lutavam contra a ditadura militar.

 

Aos 73 anos, a artista lançou no ano passado “A Pele do Futuro”, disco que reconhece a melancolia da atualidade, mas oferece uma resiliência esperançosa como antídoto.

 

 

“Eu encaro a passagem do tempo da melhor forma possível. Tenho a alma jovem, gosto de estar no palco, isso me traz mais vitalidade. Esse disco é mais um em que eu não tenho medo de ousar, de dar um salto na minha carreira, inovar. Isso me mantém viva. Além das músicas do disco, para o show eu escolhi alguns sucessos da minha carreira que se encaixassem com a sonoridade disco music do álbum. Escolhemos algumas canções e fizemos novos arranjos para haver uma unidade musical”, explica.

 

No repertório, ressalta-se a celebração, a alegria como forma de resistência. É um passeio pelas várias fases da carreira de Gal Costa e suas contribuições indeléveis para a música brasileira. Assim, ela entoa clássicos como Sua Estupidez (Roberto e Erasmo Carlos), Oração de Mãe Menininha (Dorival Caymmi), Festa do Interior (Moraes Moreira), Massa Real (Caetano Veloso) e uma versão de O Que é Que Há (Fábio Jr. e Sérgio Sá).

 

As canções de “A Pele do Futuro” também são destaques, como Viagem Passageira, composta por Gilberto Gil, Palavras no Corpo (Silva/Omar Salomão), Sublime (Dani Black) e Cuidando De Longe (Marília Mendonça).

 

“Eu estou sempre atenta aos novos artistas, a parcerias com vozes e estilos diferentes. Posso me dar ao luxo de fazer qualquer coisa. Comecei minha carreira bem João Gilbertiana, influenciada pela bossa nova, passei pelos anos 60, pelo Tropicalismo. Já fiz música experimental, rock, já fiz clássicos. Meu temperamento é esse, de não ter preconceito com nenhum tipo de música ou estilo. Pretendo ainda muitas coisas, mas outras coisas entraram no caminho, vamos ver como fica”, ressalta.

 

O músico Lenine encerra a programação nacional com o show “Em trânsito”, no último dia do Festival, 28 de julho. Em Trânsito é uma ode ao processo. Não à toa, subverte a ordem que se impôs (disco de estúdio / show / disco ao vivo).

 

O resultado é um repertório de canções que soam novas – sejam elas inéditas ou não. Além de perene, o processo é coletivo: o Lenine de Castanho, canção em parceria com Carlos Posada, não chegou sozinho. Ao mostrar as canções inéditas (como Bicho Saudade, em parceria com João Cavalcanti) para a banda, o violão foi dispensado.

 

Melodias e letras, cruas, para que os resultados fossem decifrados em conjunto com Jr. Tostoi, Guila, Pantico Rocha e Bruno Giorgi. Bruno ainda assina a direção musical, sendo mola essencial dessa engrenagem-organismo. A assinatura da banda é clarividente, consequência da intimidade conquistada por muitos anos de labuta criativa.

 

Imagem: Flora Pimentel

 

O Festival de Inverno de Bonito 2019 também vai trazer para o palco do Centro de Múltiplo Uso (CMU) duas atrações nacionais: a cantora Karina Buhr, no dia 26 de julho, e BNegão e os Seletores de Frequência, no dia 27.

 

Performática, Karina com as pernas de fora, Karina de cabelo amarelo, Karina enrolando o cabo do microfone no pescoço, Karina se desconstruindo, ela dessacraliza o papel da mulher, no palco ou fora dele. Isso de ser comportada e quietinha nunca foi a dela.

 

Foto: José de Holanda

 

O show Selvática é coerente com essa trajetória. Temática e musicalmente. Não por acaso, Selvática vem da Bíblia. Justamente na passagem da serpente que oferece o fruto proibido, do nascimento do tal pecado original, da culpa da mulher. Karina canta o incômodo, canta o inconformismo. E não economiza no peso, os temas são fortes como é forte a levada, o heavy metal, o punk rock que acompanha a mensagem.

 

No dia 27 de julho, Bernardo Santos, mais conhecido como BNegão, ex-vocalista do Planet Jemp, vem com sua banda os Seletores de Frequência ao palco do CMU, em Bonito.  O grupo lançou três CDs: “Enxugando o Gelo”, “Sintoniza Lá” e “TransmutAção”. As faixas do primeiro álbum, “Nova Visão”, “Enxugando Gelo” e a conhecida “A Verdadeira Dança do Patinho”, fazem críticas ao governo brasileiro.

 

Após nove anos sem lançar material inédito BNegão & os Seletores de Frequência lançaram em 2012 “Sintoniza Lá”, com onze faixas que trazem influências de diversos estilos como reggae, rock e o funk, sendo premiado no VMB MTV 2012 como melhor álbum do ano.[

 

No dia 12 de agosto de 2012 participou do encerramento dos Jogos Olímpicos de Londres, homenageando o cantor e compositor olindense Chico Science.

 

Em 2015, BNegão & Seletores de Frequência lançaram o disco “TransmutAção”, aclamado pela crítica nacional. E em 2018 a banda celebra 15 anos do “Enxugando Gelo” com uma turnê por todo o Brasil.

 

A banda está em um momento de “disparar” suas novas visões e sonoridades em mais um capítulo da sua história dentro da música negra universal. O crossover de funk com rap (característica intrínseca ao trabalho de BNegão & Seletores de Frequência) está em “No Momento (100%)” e em “Mundo Tela”, os candidatos a hit do último álbum.

 

Todos estes artistas estarão presentes este ano no XX Festival de Inverno de Bonito, que acontece de 25 a 28 de julho! Será uma grande celebração da cultura e da cidadania brasileira!

Oficina de arte com papel e cineminha na programação infantil do Sesc, na Capital

Para encerrar as atividades do mês de maio, neste sábado (25), a programação infantil do Sesc Cultura, em Campo Grande, tem a oficina de arte “De papel: o palco e os personagens ”, com início às 15h30.

 

Para participar, é preciso ter entre 04 e 07 anos, estar acompanhado do responsável e levar o material:  uma caixa de sapato, folha de papel crepom vermelho, cola branca, tesoura sem ponta, apontador, lápis 6B, borracha, canetas hidrocor, 10 palitos de churrasco e fita crepe.

 

O Cine Clubinho exibe às 17h30 a animação brasileira “O grilo feliz e os insetos gigantes”.  Grilo Feliz segue compondo suas músicas, para alegria dos habitantes da floresta, e agora deseja gravar um CD. Porém a descoberta de fósseis de insetos gigantes faz com que ele se envolva em uma inesperada aventura, que o obriga a enfrentar um bando de perigosos louva-deuses comandados por Trambika.

 

No Sesc Corumbá, a criançada se diverte com o Cine Clubinho que neste sábado exibirá o Cine Mostrinha, com início às 18 horas.

 

O Sesc Cultura está situado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. O Sesc Corumbá fica na rua 13 de junho, 1703 – Centro. Informações pelo telefone (67) 3232-3130. Acompanhe a programação do Sesc no site sesc.ms

 

Semana com espetáculo teatral, dramaturgia, literatura, dança e cinema no Sesc Cultura

A programação desta semana no Sesc Cultura reserva momentos de aprendizado e diversão, com oficina de dramaturgia, discussão literária, cinema, teatro e apresentação de dança.

 

Nas sessões de quarta, 22, às 15h e 19h e sexta-feira, 24, às 19 horas, exibição do longa estadunidense e dinamarquês “David Linch, a vida de um artista” (2016), com direção de Jon Nguyen, Rick Barnes, Olivia Neergaard-Holm.

 

O Projeto Sesc Dramaturgias terá a oficina “Dramaturgia da Dança”, com Fernando Marques (ES), de 22 a 24, das 18h às 22 horas. Para se inscrever, é preciso ter cartão válido do Sesc. Tendo como base a proposição de Helena Katz, de que o que caracteriza a dança contemporânea é menos a técnica empregada e mais o fato de ela procurar responder a uma pergunta, pretende-se trabalhar oferecendo aos alunos estímulos que lhes sirvam como provocações – perguntas a serem respondidas a partir de seu repertório técnico/estético.

 

Também tem Arte da Palavra – Rede Sesc de Leituras, com o Circuito de Autores, na quinta-feira, 23, às 19 horas. A mesa: “As palavras e as imagens no mundo da criança” será conduzida por Renato Moriconi (SP) e Marília Louvatel (CE). O Circuito de Autores é voltado para promover, por meio de uma itinerância de âmbito nacional, autores de diversas categorias da literatura brasileira.

 

Na sexta-feira, 24, às 20 horas, o Palco 22 do Sesc Cultura terá a apresentação Dança Samba Tango, com a Luminis Cia de Dança. Será um espetáculo de dança de dança de salão em formato de show que mistura o tango porteño com o samba carioca.

 

Encerrando a semana cultural, no sábado, 25, às 17h30, haverá a apresentação “As Aventuras de Bagacinho, quem conta um ponto cria um conto: Gaia – A Mãe Natureza”. Neste conto, “Gaia, a Mãe Natureza”, a Terra está correndo grande risco de ser destruída. Extraterrestres ameaçam o planeta por conta do descaso dos seres humanos com sua casa, e cabe a turma do Bagacinho salvar a todos. A trupe precisa conscientizar os terráqueos, principalmente as crianças, a terem respeito e o cuidado necessário com o planeta Terra.

 

O Sesc Cultura está situado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. Informações pelo telefone 3311-4300. Acompanhe a programação no site sesc.ms

Cine Sesc tem biografia de David Linch em Campo Grande e longa coreano em Corumbá

Nesta semana, nos dias 22 e 24 de maio, o Cine Sesc exibe no Sesc Cultura “David Linch, a vida de um artista” (2016). As sessões regulares são sempre às quartas-feiras, 15h e 19h e às sextas-feiras, às 19 horas.

 

A seleção do Cine Sesc para o mês de maio traz a arte como tema central, em produções que retratam processos criativos. Neste longa, com direção de Jon Nguyen, Rick Barnes, Olivia Neergaard-Holm, são explorados a vida e a carreira do icônico diretor David Lynch, por meio de mais de 20 conversas registradas com o cineasta em sua casa.

 

Corumbá

 

O Cine Sesc de Corumbá do mês de maio tem uma lista variada de dramas, com o tema “A poesia do cotidiano”, onde boa parte das histórias apresentam flagrantes da vida cotidiana. As sessões são gratuitas e acontecem às terças e aos sábados, às 19h e às 15h, respectivamente.

 

“Columbus” é o filme dos dias 21 e 25, do diretor sul-coreano Kogonada. Casey vive com sua mãe em uma cidade pouco conhecida e assombrada pela promessa de modernismo. Jin, um visitante do outro lado do mundo, visita seu pai que está quase falecendo. Sobrecarregados pelo peso do futuro, eles encontram refúgio um no outro e na arquitetura que os rodeia.

 

O Sesc Cultura está situado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. O Sesc Corumbá fica na rua 13 de junho, 1703 – Centro. Informações pelo telefone (67) 3232-3130. Acompanhe a programação do Sesc no site sesc.ms

Sesc Morada tem samba, pop, forró e apresentação da dupla Patrícia e Adriana

A semana musical do Sesc Morada dos Baís traz ritmos dançantes e uma apresentação especial que promete aflorar as memórias do público, com as irmãs Patrícia e Adriana, que marcaram época cantando sucessos românticos como “O Mais fraco coração”, composição de Eduardo Araújo, gravada por Cristian e Ralf. As apresentações começam sempre às 20 horas, abertas ao público, limitadas à capacidade do espaço para 350 pessoas.

 

A primeira será do sambista Gideão Dias, na quarta-feira, 22 de maio. O cantor, que já dividiu palco com nomes como Luíz Ayrão, Almirzinho Serra, Diogo Nogueira, Martinho da Vila, Almir Guineto e Dudu Nobre, leva músicas autorais de seu DVD e também clássicos do samba como Cartola e Almir Guineto.

 

Na quinta, 23, tem Cover UP com pop rock.  A banda conta com a experiência do trabalho musical de cada um de seus integrantes e faz uma viagem no tempo, relembrando clássicos que marcaram os anos 80.

 

A apresentação dupla Patrícia e Adriana será na sexta-feira, 24. Uma das primeiras duplas femininas do Estado, com apresentações que começaram na infância, as irmãs trabalham novo projeto e lançaram em abril do ano passado o DVD “A história continua”.

 

Quem fecha a semana musical no sábado, 25, é Zezinho do Forró, com o show “Made in Brazil”, desenvolvido em parceria com Arapiraka e o produtor Taveira Junior para turnê internacional em comemoração aos 35 anos de carreira. Zezinho do Forró é referência do gênero no estado de Mato Grosso do Sul, em sua trajetória musical já se apresentou com nomes importantes da música popular brasileira, como Dominguinhos, Elba Ramalho, Oswaldinho do Acordeom.

 

O Sesc Morada dos Baís fica na Avenida Noroeste, 5140. Informações pelo telefone (67) 3311-4300. O espaço bistrô é aberto às 18h30 e as apresentações musicais começam às 20h. Acompanhe a programação no site sesc.ms

Na Capital, Museu da Imagem e do Som recebe Mostra de Arte Digital Urbana na quarta-feira

O Museu da Imagem e do Som (MIS-MS) recebe a partir do dia 22 de maio, quarta-feira, às 20h30, a Mostra de Arte Digital Urbana, com trabalhos dos acadêmicos do curso de Artes Visuais/Bacharelado da UFMS. Antes da abertura, às 19h30, será ministrada uma aula pública sobre as potencialidades criativas das tecnologias na arte, pelos professores da UFMS Joaquim Sérgio Borgato e Venise Paschoal de Melo.

 

A Mostra é produzida numa parceria entre o MIS e a Faculdade de Artes e Comunicação (FAALC) da UFMS. Objetivo é proporcionar difusão de conhecimento, fomento ao diálogo artístico e cultural entre o ambiente acadêmico e a comunidade externa de forma geral.

 

A exposição tem a coordenação de Venise Paschoal de Melo (UFMS) e curadoria de Venise Paschoal de Melo e Luciana Fisher. A proposta é pensar a arte como uma forma de colaboração com o desenvolvimento cultural da sociedade, buscando influenciar na formação de um olhar mais crítico e democrático dos indivíduos.

 

A mostra segue até o dia 31 de julho, e traz cinco tipos de arte produzida com recursos tecnológicos: lambes digitais, realidade aumentada, desenho digital, arte generativa, colagem digital e vídeo mapping. As obras são o resultado de um processo de produção e experimentação de objetos artísticos criados a partir das mediações tecnológicas digitais.

 

“Lambes Urbanos” são colagens aplicadas sobre prédios, postes e viadutos. Produzidos por meio de plataforma digital, expostos em grandes formatos e montados com páginas fracionadas, visa remeter diretamente ao processo de colagem de peças publicitárias, e se assemelham tanto aos cartazes quanto aos suportes dispostos na rua, os outdoors.

 

“Realidade Aumentada” são camadas virtuais sobre uma superfície. A intensão é expandi-la e torna-la híbrida, a partir do aplicativo ARTIVIVE.

 

 

“Desenho Digital”: a computação gráfica como suporte dá diversas possibilidades para a produção de desenhos. São extensas relações estabelecidas entre arte, ilustração e design.

 

“Arte Generativa” pode ser definida como uma forma de produção artística que se desenvolve mediante a produção de regras estabelecidas pelos artistas, e podem ser executadas de modo computacional com o uso de dados informacionais estabelecendo a formação autônoma do desenho digital.

 

Colagem digital é forma de expressão bastante utilizada na arte. Trata-se de apropriação de elementos fotográficos em prol de uma narrativa fragmentada e aberta.

 

 

“Vídeo Mapping” é a projeção de animações e vídeo sobre objetos, empenas de prédios, grafites, dobraduras, entre outras possibilidades. É a associação da imagem imaterial, realizada por meio da luz e o objeto material, cujo objetivo é “dar vida” ao espaço, produzindo alterações na percepção do espectador.

 

A Mostra é aberta ao público em geral e a entrada é franca. A visitação é de segunda a sexta-feira das 7h30 às 17h30, no MIS, que fica no 3º andar do Memorial da Cultura e da Cidadania. 

Sesc Cultura recebe workshop sobre movimento corporal ministrado por coreógrafa americana

De 28 a 30 de maio, o Sesc Cultura, em Campo Grande, sedia workshop sobre o movimento e expressão corporal “Run like a girl”, ministrado pela coreógrafa americana Wendy Jehlen, da Anikaya Dance Theater, junto com Luciane Ramos-Silva, que é artista da dança, antropóloga e mediadora cultural, doutora em Artes da Cena e mestre em antropologia pela Unicamp. A ação é uma parceria entre o Sesc MS e o consultado dos Estados Unidos de São Paulo.

 

A inscrição é gratuita, a idade mínima exigida é de 17 anos, limitada a 20 vagas e deve ser feita na unidade até o dia 25 de maio, sábado. Não é necessário cartão Sesc para fazer a inscrição.

 

Sobre o programa – Por meio do movimento e da expressão corporal, Run Like a Girl (“Corra como uma garota”) faz uma observação de palavras e frases enraizadas culturalmente que afetam a autoestima das garotas, criando uma falsa imagem de fraqueza atribuída a meninas e mulheres. Tais expressões também são prejudiciais aos homens e aos meninos que são ensinados a esconder e suprimir suas emoções e tendências naturais de empatia, criando um sistema que limita o potencial humano.

 

Wendy Jehlen 

 

A carreira de Wendy Jehlen está marcada por conexões internacionais, pesquisas e colaborações criativas que atravessam idiomas, culturas, mídias e gêneros. Seu trabalho questiona os limites que imaginamos existir entre as pessoas e suas culturas e procura derrubar essas barreiras imaginadas por meio de uma prática corporificada de empatia radical. Esta prática levou-a ao redor do mundo para realizar workshops, colaborações e performances. Sua abordagem única à coreografia incorpora elementos de Bharata Natyam, Odissi, Capoeira, Kalaripayattu, dança da África Ocidental, Butoh e uma ampla variedade de formas de movimentos contemporâneos. Sua coreografia, que traz a emoção como forma poderosa, foi criada e executada nos EUA, Canadá, Itália, Índia, Japão, Brasil, Benin, Burkina Faso, Mali e Turquia. Entre suas obras temos a Conferência dos pássaros (2018), um trabalho de teatro físico multimídia com um elenco composto por artistas da dança de oito países; Delicateness in Times of Brutality (2017), um dueto com o artista de Butoh e poeta surdo Dakei, Entangling (2015); um dueto com o coreógrafo o burkinabe Lacina Coulibaly inspirado no entrelaçamento quântico; The Deep (2015), um trabalho para 25 bailarinos criados em São Paulo, Brasil, entre outros.

 

 

O Sesc Cultura está situado na Avenida Afonso Pena, nº 2270. Informações pelo telefone 3311-4300. Acompanhe a programação no site sesc.ms