Campo-grandense Pilar lança EP com seis faixas autorais e participação de Zeca Baleiro

O EP ‘Confluir’ comprova o grande talento de Pilar. A campo-grandense de 24 anos lança o novo trabalho com músicas próprias e uma produção de alto nível. ‘Confluir’ traz a participação especial de Zeca Baleiro na faixa ‘Favela City’ e a mixagem é do renomado Luis Paulo Serafim, ganhador do Latin Grammy. O trabalho está disponível nas principais plataformas digitais (https://onerpm.lnk.to/Confluir) e foi produzido e gravado em São Paulo no ano de 2019. Quem assina a produção é o pianista e tecladista Adriano Magoo.

 

As músicas de Pilar passeiam por diferentes gêneros musicais, como reggae, pop, jazz, soul e MPB. Uma das características da jovem compositora são as letras que exploram várias línguas, misturando o português com outros idiomas como o espanhol, o francês e o inglês. O EP traz seis composições da campo-grandense: ‘Feminility’, ‘Elevate Inside’, ‘Favela City’, ‘Junto e Misturando’, ‘Namastreta’ e ‘Van Gogh’. “Minhas composições são um reflexo intimo de mim e de minha percepção do mundo”, ressalta Pilar.

 

A cantora e compositora apresentou-se em grandes eventos no ano passado. Entre eles o badalado ‘Brazilian Day’, realizado em Estocolmo, na Suécia, e o ‘Festival Mundo Psicodélico’, na cidade de São Paulo. Pilar também é artista visual e desde os cinco anos percebeu seu amor pela música. “Eu comecei musicalização por incentivo de meus pais e nunca mais parei”, conta Pilar.

 

‘Confluir’ simboliza a união das águas em um corpo só, o oceano, e representa para Pilar o processo de mergulhar no universo da criação. “O EP faz essa conexão da natureza com o urbano, das minhas influências, das culturas musicais que conheci, e do meu passado com meu eu presente. Tudo que se une para formar esse corpo hoje”, reflete a campo-grandense.

 

Publicada lista de projetos aprovados para danças e lutas no campus da UFMS

Sete projetos foram aprovados conforme edital de seleção de ações de danças e lutas na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

 

O incentivo a danças e lutas contribui para o desenvolvimento de práticas corporais nos diversos câmpus, segundo o chefe da Coordenadoria de Cultura e Esporte (Proece/UFMS), professor Junior Silva.

 

“Além de ampliar o sentimento de pertencimento à Universidade, os projetos de danças e lutas também beneficiam a comunidade externa, que pode praticar essas modalidades sob a orientação de pessoas com conhecimentos técnicos específicos”, destaca.

 

Para as danças foram aprovados os projetos Ballet Fitness no Campus do Pantanal (Cpan) e Equipe de Cheerleading Xitigers, no Campus de Paranaíba (Cpar).

 

As lutas englobam Aikido, Taekwondo, Kendo e Curso de Defesa Pessoal Feminina, todos na Cidade Universitária e Taekwondo no Cpan.

 

“Tivemos procura a menor que no ano anterior e, possivelmente, está relacionado a pandemia, ao isolamento social, em vista da incerteza do início dos projetos, uma vez que se faz necessário cuidado com a questão da biossegurança. Esses projetos sempre foram prestigiados pela comunidade acadêmica”, afirma Junior.

 

 

 

Fonte: UFMS

Grupo de contação de histórias da Capital participa de concurso de música nacional

Duas músicas do grupo de contação de histórias Arte Deac, da Secretaria Municipal de Educação (Semed) estão entre os 160 selecionados de todo o país para a etapa final do “Meu Pequeno Festival”, concurso cultural de abrangência nacional, criado pelo educador musical do Rio de Janeiro, Marcelo Serralva.

O grupo está concorrendo com duas músicas autorais, são elas “O Camaleão” composição de Rafael Bendô, e “O Marinheiro” de Adriana Portugal.

Com elementos autorais elaborados para o divertimento direto do público infantil, a competição conta com a participação de educadores e artistas de todo o país.

“O Meu Pequeno Festival” vai premiar o primeiro lugar com um videoclipe em animação 2D para a música escolhida pelos jurados. Já os três primeiros trabalhos favoritos do público irão ganhar um kit de instrumentos de musicalização infantil, kits de jogos musicais e uma gravação em estúdio.

A votação ocorre pela internet no site oficial do Festival, e pode ser feita até o dia 30 de junho. O resultado final será divulgado dia cinco de julho. Para votar na música escolhida é necessário que o avaliador entre no site, clique no coração cinza e espere até ficar vermelho para confirmar a escolha.

Segue abaixo os links para acesso a páginas oficial de votação do Festival para selecionar o Grupo Arte Deac.

https://meupequenofestival.com.br/bom-dia-todas-as-cores-leonnardo-vieira/
https://meupequenofestival.com.br/la-vai-o-marinheiro-adriana-portugal/

 

O grupo

O Grupo Arte Deac surgiu em 2018 com o intuito de ativar nos alunos e professores, o interesse de ler e contar histórias, enriquecendo o gosto pela leitura e pela criação literária.
O grupo já fez mais de 105 apresentações para um público que somado chega a mais de 25 mil espectadores. Além das escolas da Reme, cidades do interior do Estado também tiveram a oportunidade de prestigiar os espetáculos que sempre divulgam por meio de histórias a cultura sul-mato-grossense.

Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul participa da 1ª Feira Virtual da ABEU

A Editora da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) participará, com a exposição de e-books, da 1ª Feira Virtual das Editoras Universitárias, uma feira literária 100% on-line que ocorrerá entre os dias 1º e 8 de julho na plataforma https://www.feirabeu.com.br/.

O evento é uma iniciativa da Associação Brasileira das Editoras Universitárias (Abeu) e visa promover a comercialização de livros e e-books com descontos de até 50%, além de ofertar diversas obras gratuitas para download.

A feira busca reunir o acervo das editoras universitárias do país com o intuito de amenizar os impactos econômicos gerados pela pandemia do Novo Coronavírus e incentivar a divulgação e propagação de obras acadêmicas.

UFMS: Em evento virtual, professor abordará “Vozes contemporâneas de um Antigo Egito”

No próximo sábado, 27, a partir das 10h, horário de MS, será realizada a oitava edição do Diálogos no ATRIVM. A palestra “Vozes contemporâneas de um Antigo Egito” será ministrada pelo professor Leandro Hecko do campus de Três Lagoas por meio do Meet. O link está disponível no site do Espaço Interdisciplinar de Estudos da Antiguidade (Atrivm).

 

De acordo com o docente serão abordados aspectos do antigo Egito, da história do Brasil e sobre a relação existente com esse passado tão distante. “Por que há um interesse tão difundido sobre a civilização egípcia antiga? Por que razão podemos falar de vozes contemporâneas de um antigo Egito? Partiremos da ideia de egiptomania, que mostra uma forma nossa de nos relacionarmos com a história antiga do Egito, falaremos também sobre como esse interesse se originou, sendo presente aqui no Brasil desde o século 19, e daremos alguns exemplos da chamada egiptomania no nosso país, entre outros”, disse.

 

O evento é aberto a todos os interessados e haverá certificação. O professor da Faculdade de Ciências Humanas (Fach) Carlos Eduardo da Costa Campos informou que o projeto Diálogos no ATRIVM está em seu segundo ano e tem como objetivo promover o debate sobre a história antiga no estado e no país. “É voltado a estudantes da UFMS e das instituições parceiras, mas aberto a pessoas de toda a comunidade. O público pode trazer suas contribuições através de sua consciência histórica, para promovermos o diálogo sobre a antiguidade e o aperfeiçoamento dos professores de ensino fundamental e médio nessa área de ensino de História, Letras e Arqueologia Clássica”, afirmou.

 

O grupo ATRIVM da Fach é composto por pesquisadores que estudam a Antiguidade e as suas apropriações em outras temporalidades. Emergiu em rede com o ATRIVM do programa de Pós-graduação em Letras Clássicas da Universidade Federal do Rio Janeiro (PPGLC/UFRJ) e possui uma proposta de parcerias com outras instituições e programas de ensino e pesquisa nacionais e internacionais. Entre eles estão o PPGLC da UFRJ, o Museu de Arqueologia da UFMS (Muarq); Museu Histórico Nacional no Rio de Janeiro; a Pós-graduação em História e o Laboratório de Estudos sobre a Cerâmica Antiga da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL); a Pós-graduação em História e o grupo de estudos sobre o Mundo Antigo da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); grupos de pesquisa do campus de Caicó da Universidade Federal do Rio grande do Norte (UFRN) e da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

 

 

Fonte: UFMS

Devido à grande procura por ingressos, Autocine da UFMS terá sessão extra no domingo

O retorno do projeto Autocine que acontecerá no fim de semana  com a exibição do filme nacional  “Eu e meu guarda-chuva” foi muito bem recebido pelos campo-grandenses que esgotaram rapidamente os ingressos antecipados na Praça dos Imigrantes.

 

Por isso as instituições parceiras na organização do evento realizarão uma sessão extra no domingo (28), às 20 horas. A entrada é franca. Os ingressos são limitados (máximo 50 carros) e podem ser retirados gratuitamente na Praça dos Imigrantes na sexta-feira (26),  das 8 horas às 13h30. No dia do evento é preciso chegar com 30 minutos de antecedência.

 

Sinopse

 

O filme conta a história de Eugênio (Lucas Cotrim), um garoto de 11 anos que jamais se separa do guarda-chuva herdado de seu avô. No último dia de férias ele e Cebola (Victor Froiman), seu melhor amigo, precisam entrar na sombria casa onde fica sua nova escola. O motivo é para resgatar Frida (Rafaela Victor), a grande paixão de Eugênio, que foi sequestrada pelo fantasma do Barão Von Staffen (Daniel Dantas). O filme foi adaptado do livro de mesmo nome de Branco Mello e Hugo Possolo.

 

Autocine

 

Foi criado em 1972 e funcionou durante 17 anos no mesmo local, ao lado do estádio Morenão. Inicialmente pertenceu à Rede Pedutti, responsável por escolher os filmes exibidos e por contratar funcionários, O valor da entrada era revertido para a compra de livros da Biblioteca Central da UFMS. Ficou mais de 30 anos desativado para, finalmente, o cinema drive in ter seu retorno de forma gratuita em Campo Grande.

 

A Praça dos Imigrantes está situada na esquina da Rua Rui Barbosa com a Joaquim Murtinho. Os ingressos poderão ser retirados na sexta-feira (26) das 8h às 13h30. A UFMS está  localizada na avenida Costa e Silva, s/n – bairro Universitário. Mais informações entre em contato pelos telefones 3316-9157 ou 4042-1313, ramal 4307.

Docente da Uems participa de e-book com mulheres de outros países sobre isolamento

A docente Célia Maria Foster Silvestre, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), participa do livro “Expandir o presente, criar o futuro”, pensado por dezesseis mulheres de diferentes espaços territoriais, nacionalidades, com culturas e formação profissional diversas. Poucas se conhecem pessoalmente. A ideia foi expressar que o isolamento social – tão necessário – podia unir em um sentido: ser mulher, defender e respeitar toda vida no planeta.

 

Para tanto, cada autora escolheu entre março e maio de 2020, um dia, ou os dias, que refletiam seu cotidiano no isolamento. Surpresas, frustração, insegurança, descobertas, carinho e buscas. O encadeamento entre essas expressões ficou a cabo das editoras Mirlene Simões e Fabíola Notari, e da artista visual Priscila Bellotti.

 

Na obra, entre outras vozes, uma poetisa cubana, doutoras em Ciências Sociais, Planejamento Energético, Literatura Russa ou Ciência da Informação, uma escritora finalista do Jabuti, uma psicanalista, artistas visuais que nos revelam sentimentos da Serra, da cidade grande ou do Alentejo.

 

“Trata-se de um livro de artista, que reúne textos, desenhos, fotografias, filmagens, costuras, remendos, fissuras e bordados. A vida é a linha, que fura e amarra as camadas da existência. Tensão do tempo, reflexão do espaço. Persistência do presente”, ressaltam as editoras.

 

O trabalho foi escrito, desenhado, filmado, fotografado e editado durante os dois primeiros meses de isolamento social – abril/maio 2020. A inspiração para o título do livro veio do professor Boaventura de Souza Santos.

 

 

Como nomear a vida?

 

“No Brasil, o vírus repercute a ausência de humanidade presente na boca que escancara a necropolítica e ri das mortes anunciadas. Os portugueses dizem que vai ficar tudo bem. As dores atravessam as paredes e ressoam”, constata Célia Maria Foster Silvestre, pós-doutora em Estudos sobre Democracia.

 

Com o ouvido atento, Ana Paula Meneses Alves, doutora em Ciências Sociais pela Universidade de Granada, na Espanha, reverbera a angústia destes dias: “Entro no banho e escuto a água batendo no meu cabelo. Gritos. Gritos. Gritos da vizinha que sempre grita. Sempre me incomodou os gritos dela com a filha. As palavras que, para mim, eram piores do que qualquer surra. Mas hoje é diferente”. “A água continua a rolar pelos meus cabelos. Escuto mais gritos. Gritos de mulher, gritos de homem, coisas quebrando, coisas rolando”, relata.

 

Orgulhosa com a bela prática adotada pelos cubanos de aplaudir regiamente, todas às nove da manhã, os trabalhadores da saúde, a professora Yeisa Herrera vibra com a paixão da Ilha pela vida, e seu “reconhecimento à coragem, à consagração e à esperança”.

 

Este livro é uma homenagem à vida e à fé. É a história da resistência e da solidariedade. É a consagração da vitória da sobrevivência em tempos apocalípticos de pandemia, de genocídio e barbárie. É a demonstração de  que a vida deve ser preservada, pois fazemos parte do mesmo ecossistema: todos somos um!

 

O e-book será comercializado a preço popular e serão impressos exemplares que serão distribuídos, posteriormente ao lançamento da edição virtual. A proposta acabou se transformando em um grupo de estudos e inspiração, que pode ser acompanhado em https://www.instagram.com/expandiropresente/ e https://www.facebook.com/expandiropresentecriarofuturo

 

O sarau virtual e bate-papo de lançamento acontecerão no próximo dia 27 de junho, sábado, a partir das 15 horas, pelo aplicativo Zoom, https://zoom.us/j/96613874717, ID da reunião: 966 1387 4717

#SescEmCasa encerra lives deste mês de junho com forró do Grupo Flor de Pequi

Na próxima sexta-feira, 26/06, última da programação de lives do #SescEmCasa de junho, quem se apresenta é o grupo de forró Flor de Pequi, que promete pôr todo mundo para dançar em casa. A transmissão é pelo Canal do Youtube – youtube/sescmatogrossodosul e começa às 19h30min.

 

“Nós integrantes do Grupo Flor de Pequi estamos muito contentes de poder contribuir e participar desse belo trabalho que o Sesc vem desenvolvendo integrando trabalhadores da cultura e ajudando a população em situação de vulnerabilidade. Deixamos aqui nosso forte abraço”, diz a cantora Júlia Mendes.

 

Além de alimentos, também são recebidas doações de álcool em gel, máscaras, protetores faciais, óculos de segurança e valores em dinheiro, que serão convertidos em alimentos e EPIs para as instituições cadastradas no Programa Mesa Brasil Sesc.

 

As doações seguem por meio do site https://doacoes.sescms.com.br/

Programa Toda Gente: Funarte lança Prêmio RespirArte para incentivar produções artísticas

A Fundação Nacional de Artes (Funarte) publicou na terça-feira (16.06) o edital Prêmio Funarte RespirArte destinado aos diversos segmentos atendidos pela Fundação, com o objetivo de selecionar atrações online em vídeos e promover arte de diferentes vertentes culturais em todas as regiões do país. As inscrições, gratuitas, se iniciaram na quarta, dia 17. Realizada por meio de edital público nacional, a ação faz parte do Programa Funarte de Toda Gente, que reúne vários outros projetos.

 

O Prêmio Funarte RespirArte incentivará 1.600 produções artísticas inéditas em vídeo, realizadas em plataformas digitais, com premiações de R$ 2,5 mil para cada contemplado (deduzidos os tributos). As áreas atendidas são: circo, artes visuais, música, dança, teatro e artes integradas. A Funarte concederá 270 prêmios para cada uma das linguagens específicas e 250 para artes integradas, totalizando um investimento de R$ 4.072.000,00 (R$ 4 milhões para os projetos e R$ 72 mil para custos administrativos).

 

Podem se inscrever no edital: brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 18 anos; e pessoas jurídicas de natureza cultural – tais como produtoras, companhias ou grupos. Os participantes devem ter residência ou sede e atuação comprovadas no país. Todas as produções inscritas devem ser registradas em vídeos, formatados segundo critérios estabelecidos no edital e publicados em plataformas digitais de acesso público.

 

São aceitos no processo seletivo os seguintes tipos de trabalhos:

 

● Artes Visuais – Produções em diferentes práticas contemporâneas, como performance, vídeo de artistas, “videomapping” e arte sonora, entre outras; bem como nas demais práticas convencionais, como pintura, escultura, desenho, gravura, fotografia, entre outras, e suas “interfaces para veiculação em plataformas digitais”.

● Dança – Para trabalhos nos diversos segmentos dessa linguagem.

● Teatro – Criações nas várias modalidades, tais como contação de histórias, teatro de bonecos, de fantoches, de sombras; e no formato de monólogo, leitura dramática, drama e humor, entre outros.

● Circo – Produções nos diferentes tipos de artes circenses.

● Música – Trabalhos em qualquer estilo e gênero musical.

● Artes Integradas – Criações direcionadas, de forma integrada, para mais de uma das linguagens citadas acima.

 

As inscrições devem ser realizadas por meio do formulário online (Clique AQUI ). O prazo de inscrições termina em 3 de agosto, às 17h59min. Vale destacar que a Funarte considera para este prazo o horário de Brasília (DF).

 

O vídeo inscrito deverá ser disponibilizado em arquivo online, por meio de link, com compartilhamento aberto, informado no formulário de inscrição. Neste deve ser anexado o currículo do candidato – no qual se comprove atuação no Brasil, na área artística na qual se inscreveu.

 

No edital, os interessados encontrarão instruções sobre especificações técnicas do vídeo, inscrições, sugestões de plataformas online ou em nuvem de armazenamento, link de disponibilização e preenchimento de formulário, além de outras informações e regras detalhadas.

 

Acesse aqui o edital – publicação no Diário Oficial da União no dia 16/06/2020.

 

Próximos lançamentos

 

Com foco em geração de trabalho e renda para profissionais da arte, capacitação e inclusão, o Programa Funarte de Toda Gente conta com investimento de quase R$ 20 milhões em atividades em várias vertentes artísticas, até o final do ano, por meio de editais, apresentações online, oficinas e outras ações. São cinco iniciativas, três deles em parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro, com curadoria da Escola de Música da UFRJ. São os projetos Bossa Criativa – Arte de Toda Gente, Sistema Nacional de Orquestras Sociais (Sinos) e Um Novo Olhar. Todas as ações começam online, com shows, oficinas e palestras, além de produção de material pedagógico. Num segundo momento, serão desenvolvidas ações presenciais em várias regiões. O lançamento do Bossa Criativa está agendado para 30 de junho.

 

Para mais informações entre em contato: respirarte@funarte.gov.br.