Pesquisa acadêmica: MIS preserva história do Estado

Pesquisa realizada de outubro a dezembro de 2019 por acadêmicos de Ciências Sociais da UFMS, como parte do estágio obrigatório, revelou a importância que o Museu da Imagem e do Som de MS possui enquanto um espaço de preservação e construção da história sul-mato-grossense a partir do elemento audiovisual.

 

O projeto teve a finalidade de pensar o Museu de Imagem e Som e sua influência sobre quem o visita, traçando os pontos em comum que liguem as diversas percepções dos visitantes sobre o que é cinema ao que é promovido pelo próprio museu, no intuito de entender o tamanho do impacto das ações realizadas pelo MIS no que concerne à disponibilização de conteúdos audiovisuais.

 

A pesquisa foi realizada pelos acadêmicos Fernando de Campos Barbosa Filho, Giovanna Bem Borges, Jônatas Stritar Alaman, Thais Almeida Cariri para o MIS e os organizadores dos Cineclubes Marginalia, Cine Café e Arvore-Ser. Durante o período de estágio dos acadêmicos de Ciências Sociais da UFMS, a coordenadora do MIS, Marinete Pinheiro, propôs que realizassem uma pesquisa quantitativa e qualitativa do público a fim de mapear e nortear as ações do MIS. “O trabalho dos acadêmicos de aplicação dos questionários, tabulação dos dados e relatório final foi excepcional, com os dados podemos planejar melhorar nossas ações e principalmente qualifica-las”.

 

“Um dos dados interessantes da pesquisa éque maioria dos entrevistados dizem que, mais importante que o gênero dos filmes, está a critica e o valor sociológico das obras exibidas, ou seja, a relevância social. Para 74,2% dos entrevistados o interesse está na diversidade de filmes, que não seriam assistidos se não fossem exibidos no MIS. Os mesmos apontam, ainda, as discussões após os filmes como fator de interesse, assim o Museu cumpre sua missão como espaço de difusão e formação critica através do cinema”, comentou Marinete.

 

Quanto às motivações que levam as pessoas a frequentar os cineclubes, 26 (41,9%) responderam que o motivo da visita foi a busca por entretenimento, enquanto 25 (40,3%) manifestaram interesse na agenda cultural de Campo Grande. Já 13 (21%) responderam que eram cinéfilos e/ou possuíam interesse nas discussões promovidas após o filme, 12 (19,4%) queriam conhecer melhor o museu e 9 (14,5%) foram a convite de amigos ou colegas que já frequentavam a agenda promovida pelos cineclubes.

 

Na pergunta, “qual você acredita que seja a função do MIS para Campo Grande/sua comunidade?”, na qual era possível marcar mais de uma alternativa, a maior parte dos entrevistados (71%) respondeu que acreditava que o papel do museu seria promover cultura e conhecimento audiovisual à população, seguida por 61,3% e 59,7% que marcaram, respectivamente, facilitar à população o acesso à arte e preservar o acervo audiovisual sul-mato-grossense. Outros responderam ainda que a função do museu seria criar espaços para se discutir a importância destas obras para a cultura regional (50%), garantir lazer e entretenimento aos cidadãos (43,5%), fomentar a produção de obras audiovisuais (33,9%) e destacar filmes nacionais (1,6%).

 

A partir desses dados, conclui-se o importante papel que os visitantes percebem no MIS enquanto um espaço de preservação e construção da história sul-mato-grossense a partir do elemento audiovisual. Assim, o museu desempenha uma função essencial à democratização desse conhecimento e para a reflexão desses sujeitos que talvez não pudessem participar dessas discussões de outro modo.

 

Foto: Acervo do MIS

TV Brasil