Zezé Di Camargo & Luciano levam bagagem de vida e de música ao Festival América do Sul

Média de 130 shows por ano, mais de um milhão de cópias por álbum, campanhas publicitárias, licenciamento em várias marcas. Zezé Di Camargo & Luciano abrem em grande estilo o 15º Festival América do Sul Pantanal com um espetáculo especial no dia 14 de novembro (quinta), às 22 horas, no Palco Integração, em Corumbá.

 

Os irmãos Mirosmar José de Camargo (cujo nome artístico – pseudônimo é Zezé Di Camargo) e Welson David de Camargo (conhecido como Luciano), naturais de Capela do Rio do Peixe, distrito de Pirenópolis, em Goiás, têm no pai o maior incentivador. Fã de Tonico e Tinoco, seu Francisco acalentava um sonho: ter dois filhos que pudessem formar uma dupla sertaneja.

 

Quando Zezé, o mais velho, completou três anos, ganhou do pai uma gaita. Mais tarde, com o dinheiro que vinha da lavoura, comprou uma sanfona e um violão para os filhos, que já formavam a dupla Camargo e Camarguinho. Se apresentavam em circos e rodoviárias e vez ou outra ganhavam a estrada. Numa dessas viagens, quando tinham 12 e 11 anos, um acidente tirou a vida de Emival, o irmão mais novo. Os filhos de seu Francisco voltavam de uma apresentação em Imperatriz, no Maranhão, em uma espécie de lotação.

 

Mesmo com a falta do irmão, Zezé não desistiu da música. Com 13 anos já trabalhava como office-boy. Aos 15 era o Zé Neto do trio Os Caçulas do Brasil, com o qual chegou a gravar um disco. Em 79 formou parceria com um amigo de Goiânia, dez anos mais velho e remanescente do trio. A carreira da dupla Zazá e Zezé, que teve boa expressão em Goiás e no Mato Grosso, deu origem a três LPs.

 

Mas não vingou porque Zazá tinha planos regionais. Zezé queria ganhar o país. Em 1987, Zezé resolveu partir para São Paulo e tentar carreira solo. Gravou dois discos pelo selo Três M, já extinto (hoje esses trabalhos pertencem à Warner). Por essa época, algumas de suas composições já eram sucesso nas vozes de duplas consagradas, como Chitãozinho e Xororó.

 

Apesar das composições bem-sucedidas, o filho mais velho de seu Francisco queria mesmo era emplacar como cantor. Welson David, irmão dez anos mais moço, imaginava que Zezé estivesse fazendo sucesso em São Paulo e embarcou. Na hora de escolher o nome para a dupla, os dois passaram a ver qual soaria melhor. E então fecharam contrato com a gravadora Copacabana.

 

Foi em 19 abril de 1991 que Zezé Di Camargo e Luciano lançaram seu primeiro disco. Em dois meses “É o Amor” alçava seus intérpretes ao primeiro lugar na parada. Em seis meses o álbum de estreia dos cantores ganhava disco de platina duplo por 750 mil cópias. Em pouco mais de um ano atingia a casa de 1 milhão.

 

Hoje são mais de 40 milhões de cópias vendidas, só no Brasil, somando cerca de 130 shows por ano, com público médio de 50 mil pessoas, enquanto avançam fronteiras pelo mercado latino vizinho ao Brasil com sucesso esplendoroso. Zezé di Camargo e Luciano estão no auge de sua carreira, e se duas décadas e meia se passaram eles ainda têm uma história de grandes sucessos pela frente.

 

Divulgação \ Guma Miranda – Deividi Correa

TV Brasil