Exposição de Graffiti e xilogravura até 31 de julho

Da madeira ao spray, dos impressos aos muros, do sertão às grandes cidades. Xilogravura e grafitti, linguagens artísticas tão diversas, estão unidas na exposição Xilograffiti, em cartaz no Sesc Consolação, na capital paulista. A exposição gratuita, que tem curadoria de Baixo Ribeiro, será realizada até o dia 31 de julho.

 

Graffiti e xilogravura se unem em exposição em SP110
Graffiti e xilogravura se unem em exposição em SP – Divulgação

“Mais do que linguagens artísticas, a xilo e o graffiti transformaram-se em símbolos culturais que atraem artistas e públicos engajados na sua perpetuação. Apesar de aparentemente distantes por seus contextos de origem, ambos fazem parte de culturas que se conectam: de um lado a goiva sulca a madeira da matriz xilográfica, do outro lado o estilete corta a máscara de stencil; enquanto nas feiras populares surgem as bancas de cordel, nas feiras de gráficas independentes surgem as banquinhas de zines; se na praça da matriz acontece o duelo de repentistas, na quebrada rola a batalha de slam”, disse o curador da mostra.

 

Estarão em exibição obras de artistas e de coletivos como Derlon, Lira Nordestina, Atelier Piratininga e Lau Guimarães, que serão apresentadas em seis núcleos temáticos. Obras do artista J.Borges, considerado um dos maiores nomes da arte da xilogravura e que ganhou uma exposição especial em cartaz no Centro Cultural Fiesp também serão exibidas no Sesc Consolação.

 

Graffiti e xilogravura se unem em exposição em SP
Graffiti e xilogravura se unem em exposição em SP – Divulgação Exposição Xilograffiti

 

 

A mostra promoverá ainda intervenção em seu prédio: uma pintura feita por Romildo Rocha. Também serão oferecidos cursos, oficinas e encontros com artistas.

 

Assim como suas linguagens artísticas, a exposição também estará sempre em movimento. Isso significa que novas obras e trabalhos serão incorporados ao espaço expositivo até o término da mostra.

 

Mais informações sobre a exposição podem ser consultadas no site do Sesc.

 

AGÊNCIA BRASIL

Exposições de arte

Exposições – Seguem abertas as visitações às exposições “Morrer é coisa de quem vive”, de Isabê; “Centenário da Semana de Arte Moderna de 1922” “Os Bugres de Conceição”, com peças em diferentes formas e tamanhos.  As visitações são às terças-feiras das 8h às 17h, de quarta a sexta-feira das 12h às 21 horas e aos sábados das 9h às 18 horas.

 

Serviço – Acompanhe as ações do Sesc MS no site sesc.ms. Siga-nos nas redes sociais do Sesc @sescculturams e Facebook/sescculturams. O Sesc Cultura está localizado na Avenida Afonso Pena, 2270 – Centro, Campo Grande – MS.

31 de Maio – Oficina de percussão

A oficina “Da palma da mão à planta do pé” será ministrada pelo compositor, pesquisador de sons e ritmos e criador de instrumentos e músico, Marco Lobo, no dia 31 de maio, às 9 horas, no auditório do curso de Música, na Cidade Universitária. Podem participar estudantes, músicos iniciantes e profissionais da comunidade externa.

Segundo o secretário de Projetos e Eventos Culturais, da Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Esportes(Proece), Eduardo Escrivano, durante a oficina serão abordados temas que irão mostrar como a percussão pode ser trabalhada de uma forma lúdica. ”Vamos abordar sobre ensaios, arranjos e experiências profissionais em shows e estúdios”.

O conteúdo da formação incluiu: percepção musical; independência rítmica; improvisação; ritmos; cantos baianos e mineiros. Serão utilizados instrumentos como a caixa de folia, patangome, gunga, berimbau (tradicional e moderno), timbres percussivos e sons experimentais.

De acordo com a Proece, é recomendável que os participantes usem roupas leves e confortáveis, e aqueles que tiverem instrumentos como cajon, surdo, alfau e zabumba podem levá-los para utilização  durante a oficina.

As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas até o dia 30 de maio, no endereço eletrônico: maiscultura.ufms.br. 

Marco Lobo

Nascido na Bahia, Marco Lobo é brasileiro de todos os batuques. Tesouro musical brasileiro, o artista já tocou com nomes como Elba Ramalho, Marisa Monte, Ivan Lins, Maria Bethânia, Lenine, Ana Carolina, João Bosco, Gilberto Gil, Milton Nascimento e com Billy Cobham, com quem Marco vem excursionando por diversos países.

Autodidata, há mais de 12 anos Marco Lobo dedica se  à carreira solo no Brasil e Exterior. Possui três CDs e um DVD lançados, ministra oficinas e whorkshops, cria e executa projetos musicais que consolidam a música instrumental brasileira ao redor do mundo.

Há alguns anos, Lobo vem trilhando sua carreira solo, com seus projetos “Eu vim da Bahia, Marco Lobo Quinteto, World Percussion Ensemble e Yamí Music Project. Marco lançou três álbuns solo, sendo eles “Aláfia”, “Bahia – Marco Lobo e Convidados“, e “Marco Lobo”.

27 de Maio – Lançamento Marcha para Jesus 2022

Dia 27 de maio às 18h30 na Praça do Rádio Clube acontece o Lançamento Oficial da Marcha para Jesus 2022 “Igreja, Guardiã da Fé”. Presença confirmada da Banda @andre_e_felipe e a ex-ministra @damaresalvesoficial1, que trará a Palavra. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro (PL), também participará do evento. Será um momento em que a igreja irá clamar pelas vidas e famílias de Campo grande e pela  Marcha 2022.

26 a 29 de Maio – Memorial do Homem Pantaneiro

Memorial do Homem Pantaneiro integra programação do FASP

Local recebe projeto Pantanal+10 com exposição fotográfica e lançamento de livro, exibição de filmes e visitação de acervo do IHP

 

Criado para registrar e divulgar o homem pantaneiro e toda a sua cultura, o Memorial do Homem Pantaneiro, vinculado ao IHP (Instituto Homem Pantaneiro), receberá parte da programação do FASP (Festival América do Sul Pantanal), que começa dia 26 de maio, em Corumbá.

 

Entre quinta-feira (26) e domingo (29), o Memorial abrirá todos os dias, horário das 16h às 21h, para visitação do público. Localizado no prédio Vasquez & Filhos, na Ladeira José Bonifácio, 171, no Porto Geral, e a entrada é gratuita.

 

A programação para o período do Festival é uma parceria entre o IHP, Documenta Pantanal e Fundação de Cultural do Mato Grosso do Sul, com o apoio do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano.

 

“Incorporar o Memorial do Homem Pantaneiro no Festival América do Sul é motivo de orgulho para a nossa instituição. Além disso, demonstra efetivamente a importância deste equipamento cultural para proteger a memória e história dos homens que foram responsáveis pela proteção e desenvolvimento deste importante bioma”, afirma o presidente do IHP, Ângelo Rabelo.

 

No mesmo período, o Memorial recebe o projeto Pantanal+10, com o lançamento da exposição “Céu e inferno em terras alagadas” de José Medeiros. Composta por séries fotográficas, que retratam a destruição do bioma nos últimos anos.

 

Todos os dias, durante o FASP, às 18h30, será exibido o documentário “Fogo e Fé”, um curta-metragem produzido por José Medeiros, traz depoimentos dos pantaneiros sobre a maior tragédia ambiental no Pantanal. Os incêndios de 2020 e a grande estiagem já registrada, de 2021. O documentário tem 15 minutos.

 

Em seguida, 19h00, também todos os dias, será exibido “Ruivaldo, O Homem que Salvou a Terra”, de Jorge Bodanzky e João Farkas. Já às 20h, diariamente, será exibido o filme “Finado Taquari”, de Frico Guimarães. O filme, que retrata o assoreamento do rio Taquari, foi premiado no 4° Festival de Cinema de Jaraguá do Sul e no Cine.Ema – Festival Nacional de Cinema Ambiental do Espírito Santo, ambos em 2021.

 

Produtora de “Finado Taquari” e coordenadora do Documenta Pantanal, Mônica Guimarães fala sobre a importância de participar do Festival América do Sul Pantanal. “Estar presente no FASP está em total sinergia com a missão do Documenta Pantanal, que está completando 3 anos neste mês de maio. É motivo de muito orgulho poder apresentar, ao lado de nossos parceiros do IHP, parte de nossos projetos que têm como bússola divulgar o bioma, sua cultura, suas possibilidades econômicas e suas questões mais prementes”, afirma.

 

Na sexta-feira (27), às 19h30, acontece o lançamento do livro “Céu e inferno em terras alagadas”, do fotógrafo José Medeiros. A obra dá início ao projeto Pantanal + 10, no qual o fotógrafo retrata os acontecimentos no Pantanal nos últimos dois anos. Ao contrário de imagens poéticas que quase sempre estão ligadas ao bioma, o autor documenta os resultados das queimadas e da ação do homem na maior planície alagada do mundo. Ao longo dos próximos 10 anos, a ideia é lançar uma coletânea de livros, com a abordagem de vários aspectos do Pantanal.

 

Legítimo pantaneiro, Armando Lacerda conta que quando está na cidade precisa recarregar a bateria no rio. “Sempre vou até a beira do rio e de lá dou uma olhada e passada no Memorial do Homem Pantaneiro. Ele preencheu uma lacuna na cidade, resgatando a nossa cultura. E é interessante para quem vem para a cidade conhecer”, garante.

 

Serviço

Memorial do Homem Pantaneiro no FASP

Data: 26 a 29 de maio

Horário: 16h às 21h

Informações: 67 3232-3303

26, 27 e 28 de Maio – Espaço Criativo do 16º FASP

Campo Grande (MS) – O 16º Festival América do Sul Pantanal vai ter um pavilhão destinado à exposição e comercialização de produtos originários de Mato Grosso do Sul. É o Espaço Criativo, local que abrigará setores da moda, literatura e gastronomia sul-mato-grossense e estará funcionando durante o evento na Praça Generoso Ponce, das 15h às 23h.

O Espaço Criativo também promoverá a oficina de moda “Acessórios em Couro” com Emília Leal. Outras oficinas acontecerão no Instituto de Mulheres Negras do Pantanal – IMNEGRA. São elas: “Da inspiração ao croqui – Upcycling em Jeans” com Anderson Bosh e Luiz Gugliatto, “Modelagem” com Nair Gavilan Carvalho e Andréia Lidiane Lopes, “UPCYCLING” com Fabio Mauricío e Patrícia Boli e “Customização” com Fabio Touché e Eduardo Alves. Serão inscritos até 10 alunos por turma.

Conheça a seguir informações sobre os ministrantes das oficinas:

A expressão da artista visual em Design de Moda Emília Leal não limitou sua criatividade aos suportes tradicionais para expressar seus grafismos inspirados na arte índigena, mas com liberdade de cores e formas. Chegou à moda pelo desenvolvimento de acessórios em cerâmica, e depois em couro, com maxi colares, braceletes, brincos vindo em seguida a criar o modelo de biquíni e maiô Iporã em couro, crochê e lycra. Ativista, além de parceiras produtivas, artista segue em contínuo apoio à luta dos povos originários em coletivo, redes e ações de MS e regionais.

Anderson Bosh é um experiente artista que completa esse ano 31 anos de carreira. Formado em artes visuais pela UFMS com complementação em direção teatral na UFRJ e CAL e pós-graduação em Cinema pela Cambury, o artista transita entre as linguagens da Literatura, da Moda, do Circo, da Dança, das Artes Visuais, do Teatro, do Cinema e da Performance. Atua ainda como DJ Dragqueen na cena noturna. Dono de um extenso currículo, o artista, homem intersexo, ativista e militante das questões de arte e gênero mantém desde 2018 a Casa de Criações Anderson Bosh em Campo Grande. Espaço destinado à análise, experimentações, desenvolvimento técnico e criações de moda, artes visuais, figurinos, cenários, adereços, literatura, maquiagem e perucaria, além de ser espaço de investigação, ensaios e aprimoramentos do seu coletivo de artes cênicas, o Grupo UBU. A Casa de Criações Anderson Bosh atende artistas e coletivos de MS, GO e SP.

 

É importante ressaltar que sua prática artística, carreira e trajetória, são manifestação absoluta da condição biológica de intersexualidade e transexualidade que ele vive. Nascido em corpo biológico masculino e corpo hormonal e mitocondrial feminino, ele vive sua infância a situação de embate, dualidade, e preconceito social e de gênero. Esta busca constante por sua própria identidade e manifestação de gênero propiciou tudo que ele construiu enquanto artista até hoje, seja na moda, na literatura, no teatro, na dança, no circo ou nas artes visuais. Essa ânsia por falar sobre sua condição, se auto perceber e entender, o levou para o caminho das artes, da expressão, da cultura e nela encontrou janelas e portas abertas para experimentar, propor, falar, dialogar, debater, e existir enquanto sujeito e artista.

 

Sua criação na moda é uma verdadeira simbiose entre estilismo e figurino, moda e espetáculo, arte e gênero. Suas coleções percorrem o caminho do entre, do meio, do através: nem estilo nem figurino, uma comunhão catártica e superlativa de ambas as linguagens, impulsionadas pela discussão sobre arte e gênero. A Coleção “Baixo Augusta” propõe uma leitura contemporânea e streetwear da vestimenta inspirada na manifestação e performance social e de gênero que o criador viveu durante sua temporada como DJ nas casas noturnas e da própria Rua Augusta em São Paulo.

 

Why Not by Gugliatto, criada e desenvolvida por Luis Carlos Gugliatto, estilista e produtor de moda há mais de 30 anos no mercado sul-matogrossense, é uma marca que utiliza um método sustentável a fim de reduzir o desperdício de materiais já existentes. O reuso do jeans e outros materiais são fundamentais para transformar o produto usado em uma peça nova, assim criando um conceito único com relevância para a marca.

 

Ateliê Nair Gavilan foi inaugurado em maio de 2015, em Campo Grande, com a proposta de ser um espaço acolhedor e intimista que aproxima consumidoras de peças sustentáveis com a produção artesanal de roupas femininas. Desde que foi aberto, o ateliê já produziu três importantes coleções e todas elas foram elaboradas no formato slow fashion, ou seja, peças únicas, exclusivas e de poucas quantidades, de forma sustentável e tendo como prioridade máxima o menor impacto possível ao meio ambiente. Nair Gavilan é pesquisadora de moda sustentável, formada em Design de Moda, atua no mercado de moda há dez anos e começou a criar e costurar suas roupas desde criança. É mãe de duas meninas, trabalha com corte e costura há 13 anos e faz moda feminina o ano todo.

 

As peças da marca LidyLo misturam referências de época com a moda atual e têm como inspiração o corte retrô ou vintage dos moldes dos anos 50 e 60 alinhada com uma estética urbana, visual e contemporânea, uma roupa que reflete a mulher bem-antenada que preza por elegância através de cortes e modelagens clássicas, com tecidos de qualidade, bem alinhadas e com acabamento impecável. Vestir mulheres a ambição de Lidiane Lopes Lima.

 

FM é a marca do designer Fabio Mauricio desde 2004. São roupas exclusivas, únicas que seguem o conceito upcycling maioritariamente feminina com inspiração de décadas passadas como anos 70 e 80 e na cultura popular brasileira. As roupas são feitas com tecidos vintages garimpados em brechós de diferentes lugares do Brasil e do mundo. Cada roupa é desenhada e confeccionada pelo próprio designer que também tem como identidade da marca os bordados rebuscados feitos com mix de materiais: lantejoulas, miçangas, pérolas, sementes, rendas, entre outros materiais.

 

Fabio Mauricio participou desde 2004 de diferentes feiras, eventos, desfiles e editais de moda e cultura em Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Pernambuco e Rondônia.

 

A marca autoral Boli Boli, desenvolvida pela designer de moda Patrícia Boli, propõe sustentabilidade em peças customizadas, originais e criativas através de uma linguagem contemporânea e divertida com cores, tingimentos e elementos da pintura onde os códigos visuais conceituais se fundem com a simplicidade das possibilidades criativas na reutilização através da moda e do objeto de design e arte.

 

Touché é uma marca de camisetas vinculada às novas formas de produção e difusão da Economia Criativa brasileira, que aposta no talento de jovens designers para a criação de suas estampas e fortalece as economias locais, com um produto genuinamente nacional, mas que se comunica com o mundo porque valoriza a vanguarda e a urbanidade. Com temas ligados às artes, à música, à cultura brasileira e suas matizes, a Touché, assinada por Fábio Touché, acredita que o design seja um meio eficiente de colocar mais arte no dia-a-dia das pessoas.

 

A Bocaiuva Moda Inclusiva, de Eduardo Alves, produz coleções com peças adaptadas, que podem ser usadas por pessoas com ou sem deficiência. Para despertar uma consciência coletiva em torno da moda e do consumo responsável, além da inclusão a Bocaiuva trabalha com responsabilidade social contratando pessoas da dessa comunidade, prevendo respeito e valorização aos costureiros envolvidos na produção de suas peças. Tem como objetivo tornar sua produção cada vez mais limpa, trabalhando com tecidos certificação socioambiental, com modelagens zero waste diminuindo os resíduos têxteis e para encerrar o ciclo produz acessórios com os retalhos provenientes da produção. Ou seja, quando o cliente adquire uma peça ele está valorizando a origem da sua roupa e colaborando para construir uma sociedade mais próspera e inclusiva.

Acompanhe a programação das oficinas:

OFICINA 1

Acessórios em Couro

Ministrante: Emília Leal

Turma: única

Período: 26 de maio das 16h ás 18h

Local: Pavilhão – Espaço Criativo

Inscrições: Ladeira José Bonifácio n°68 – CENTRO

Informações: (67) 3907-5690

emailcasadrgabi@gmail.com

Município: Corumbá / MS

Turma 1: 10 alunos

Objetivo da oficina: Confecção de acessórios de moda a partir da premissa do eco-fashion.

Conteúdo: Roda de compartilhamento sobre Eco-fashion, molde e corte de couro, escolha de materiais, escolha da palheta de cores, dimensões, pintura em couro.

Metodologia e material didático:

Metodologia: As aulas serão práticas com confecção direta das peças.

Público Alvo: Novos designer, carnavalescos, estilistas, costureiras Interessados em geral, pessoas que queiram aprender confeccionar assessórios de moda em couro

 

OFICINA 2

Da inspiração ao croqui – Upcycling em Jeans

Ministrantes: ANDERSON BOSH e LUIZ GUGLIATO

Turma: única

Período: 27 de maio das 14h às 16h

Local: Instituto de Mulheres Negras do Pantanal – IMNEGRA

Inscrições: Ladeira José Bonifácio n°68 – CENTRO

Informações: (67) 3907-5690

emailcasadrgabi@gmail.com

Município: Corumbá / MS

Objetivo da oficina:

PARTE I

Da inspiração ao croqui – o processo de construção do conceito e desenvolvimento da coleção: Consiste em instrumentalizar o orientando para a prática do desenho de moda. Percebendo as camadas da concepção, desenho e confecção da peça.

Conteúdo: Panorama histórico da Moda – desenvolvimento da linguagem. Percepção da ideia – referências e argumentação. Percepção das camadas de composição da vestimenta – desenvolvimento do argumento, palheta de cores, unidade estética, projetos de gênero, estilo e forma, noções básicas de corte e costura, costumização, acabamento artístico, memorial descritivo, rafia, lay-out e croquis, plano de figurino.

PARTE II

Upcycling em Jeans: Consiste em disseminar conhecimento para os alunos aprenderem a desenvolver peças a partir da técnica de upcycling (uso em jeans), conscientizando-os sobre a moda sustentável.

Conteúdo: técnicas de como desmontar as peças jeans; como usar a modelagem nas peças desmontadas; como unir as partes das peças já cortadas adquirindo um caimento perfeito através da utilização da trama correta do tecido; melhores técnicas para costurar o jeans.

Metodologia e material didático:

Metodologia: As aulas serão práticas e no formato de fórum onde os conteúdos das matérias passam por abordagens teóricas, referenciais e técnicas, a partir da realidade próxima do orientando, facilitando a assimilação, o entendimento e o posterior exercício do conteúdo e da tecnologia. A temática abordada será a vida e a obra de Tarsila do Amaral e se constituirá o eixo de toda produção.

Público Alvo: Novos designer, carnavalescos, estilistas, costureiras Interessados em geral, pessoas que queiram aprender a técnica do Upcycling com reuso do jeans.

 

OFICINA 3

Modelagem

Ministrantes: Nair Gavilan Carvalho e Lidiane Lopes Lima

Turma: única

Período: 28 de maio das 16 às 18:00

Local: Instituto de Mulheres Negras do Pantanal – IMNEGRA

Inscrições: Ladeira José Bonifácio n°68 – CENTRO

Informações: (67) 3907-5690

emailcasadrgabi@gmail.com

Município: Corumbá / MS

Objetivo da oficina: Esta oficina tem o propósito de oferecer um contato com a Modelagem básica da costura  para que possam, posteriormente, usar do aprendizado para aperfeiçoar suas técnicas. É para compartilhar com os alunos experiências do mundo da modelagem de uma forma simples e muito prática.

Metodologia e material didático:

Metodologia: As aulas serão práticas com confecção direta das peças.

Público Alvo: Novos designers, carnavalescos, estilistas, costureiras Interessados em geral, pessoas que queiram aprender modelagem corte e costura.

 

OFICINA 4

UPCYCLING

Ministrantes: Fabio Mauricío e Patrícia Boli

Turma: única

Período: 27 de maio das 14 às 16:00

Local: Instituto de Mulheres Negras do Pantanal – IMNEGRA

Inscrições: Ladeira José Bonifácio n°68 – CENTRO

Informações: (67) 3907-5690

emailcasadrgabi@gmail.com

Município: Corumbá / MS

Objetivo da oficina: A oficina de costura criativa integra moda, cultura e sustentabilidade. A oficina irá oferecer novos métodos de costura inserindo criatividade e cultura popular brasileira. Os participantes irão utilizar roupas de brechó para recriar novas peças com conceito upcycling e designer moderno. Nessa oficina os alunos irão aprender a técnica de envelopamento onde vão reutilizar retalhos para encapar e recriar sobre as roupas de brechó seguindo o tema da Semana de Arte Moderna de 1922.

Metodologia e material didático:

Metodologia: As aulas serão práticas com confecção direta das peças.

Público Alvo: Novos designers, carnavalescos, estilistas, costureiras Interessados em geral, pessoas que queiram aprender a técnica do Upcycling.

 

OFICINA 5

Customização

Ministrante: Fabio Touché e Eduardo Alves

Turma: única

Período: 28 de maio das 16h às 18h

Local: Instituto de Mulheres Negras do Pantanal – IMNEGRA

Inscrições: Ladeira José Bonifácio n°68 – CENTRO

Informações: (67) 3907-5690

emailcasadrgabi@gmail.com

Município: Corumbá / MS

Objetivo da oficina: Customização de camisetas com inspirações modernistas: Consiste em customizar camisetas com inspiração nas obras de pintura de Anita Malfatti, que é considerada pioneira da Arte Moderna no Brasil e era portadora de deficiência motora, juntamente com os poemas de Ronald de Carvalho.

Conteúdo: palheta de cores e elementos das obras de Anita Malfatti e referências de memória emocional e imagética nos poemas de Ronald de Carvalho, escolha e direcionamento de matérias diversos para a customização, bordado e colagem.

Metodologia e material didático:

Metodologia: As aulas serão práticas com confecção direta das peças.

Público Alvo: Novos designers, carnavalescos, estilistas, costureiras Interessados em geral, pessoas que queiram aprender customização de camisetas.

Até 28 de Maio – Oficina de Design durante o Fasp

Campo Grande (MS) – O Festival América do Sul Pantanal vai trazer este ano, para a Associação de Mulheres de Fibra de Ladário, a Oficina de Design com o objetivo de aumentar a competitividade do produto a ser inserido no mercado, produzido pelas mulheres da associação.

A oficina acontece de 21 a 28 de maio, na sede da própria Associação, em Ladário. As ministrantes, Mary Saldanha e Paula Bueno, explicam que serão desenvolvidos produtos com metodologia de design, utilizando o crochê em Fibra de Aguapé.

Depois de uma década criando identidades visuais para artistas e empresários, as designers Mary Saldanha e Paula Bueno decidiram dar vida aos próprios projetos com design autoral. Olhando para as riquezas do entorno, elas as traduzem em desenhos, cores, texturas, conceitos através de impressão manual em produtos de decoração que nascem para deixar o dia-a-dia mais inspirador, esse é o conceito criado através da Polca, um estúdio idealizado por elas para dar vida as referências regionais e culturais com originalidade e criatividade.

A oficina visa contemplar a temática entre artesanato e design, no desenvolvimento das ações de valorização da arte popular, cultura e artesanato para a associação que trabalha a fibra de aguapé na criação dos produtos, levando à preservação das culturas locais e à formação de uma mentalidade empreendedora, por meio da preparação para o mercado competitivo. A oficina possibilitará a criação de produtos, mesclando a teoria com a prática abordando os princípios do design, composição, teoria das cores e cultura regional.

A proposta de desenvolvimento de produtos para o núcleo de artesãs da Associação de Mulheres em Fibra de Aguapé busca aliar a estratégia do design a saberes de domínio do grupo e a cultura sul mato-grossense. Dessa forma é possível desenvolver um produto diferenciado, criativo, com história, de caráter competitivo e sustentável e, principalmente, comprometido com a realidade local.

O artesanato permite não apenas a geração de renda no contexto de desenvolvimento da economia criativa no Município e no Estado, mas a promoção de autonomia ­financeira das participantes do núcleo produtivo e a preservação das técnicas tradicionais. “Construímos um repertório didático para estimular grupos de criadores a traduzir suas histórias e visões de mundo em produtos através de técnicas que já dominam. É uma consultoria em design de produto que conduz o processo de criação e resulta em coleções que expressam elementos identitários destes grupos, com produtos que tenham potência para o mercado que pretendem se inserir”, explicam as ministrantes da oficina, Mary Saldanha e Paula Bueno.

Mary acrescenta que a proposta para a oficina de design é uma construção coletiva com o grupo. “A gente entende que este é um passo a mais para o amadurecimento do grupo, é um reforço para o que elas já fazem. Mas como isso pode ser ampliado, potencializado, como isso pode chegar de uma outra forma no mercado pretendido. Então a gente trabalha com essa questão da identidade, mesmo, delas, como a gente pode diferenciar o trabalho delas de outros núcleos produtivos.”

Paula explica que elas vão trazer a metodologia do design para a oficina, “que é a ideia de fazer uma coleção, como conceituar o produto, sempre partir desse olhar bem sensível sobre o próprio olhar delas sobre o mundo, sobre o lugar em que elas vivem, sobre como elas enxergam as coisas. A ideia é a gente dar ferramentas do processo criativo para elas e olhar com atenção ao mercado que elas pretendem”.

“A ideia é construir laços, trabalhando com elas de uma forma afetiva, de uma forma de aproximar mesmo, desmistificar essa coisa do design, do produto, a gente reforçar essa tendência mundial por busca de produtos de fibras naturais, o que humaniza mais, da natureza, da gente. Elas têm um material bem bacana, que é o aguapé, então, como que a gente pode ampliar o leque de produtos”, diz Mary.

“Vai ser uma semana bem intensa, a gente vai precisar bastante da dedicação delas, assim como a gente vai se dedicar bastante também, e a gente espera que elas estejam animadas, como a gente está, para ir, e a gente espera que esse encontro, essa semana nesse Festival gere frutos concretos para elas poderem dar um novo passo nesse amadurecimento do trabalho delas”, finalizam as designers.

A Oficina é somente para mulheres da Associação de Mulheres em Fibra de Aguapé. Será realizada de 21 a 28 de maio de 2022, durante o Fasp, na sede da própria Associação, em Ladário. Estão sendo oferecidas 15 vagas. Inscrições e Informações pelo contato: 67 9932-6819 – cultura@ladario.ms.gov.br

28 de Maio – Sesc no Bosque – Bia Blanc

No próximo sábado, 28 de maio, o “Sesc no Bosque”, parceria entre o  Sesc Cultura , integrante do Sistema Comércio, e o Shopping Bosque dos Ipês, revela o repertório da cantora lírica Bia Blanc a partir das 12h. A artista iniciou sua trajetória com o canto lírico no coro da igreja há mais de 15 anos e, hoje, tem no repertório canções brasileiras e blues argentinos. A apresentação será na Praça de Alimentação e tem Classificação Livre.

 

Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams.

27 de Maio – Renato Jackson no “Sextou na Praça”

O mês termina em ritmo animado na praça Ary Coelho, local do último “Sextou na Praça” de maio. O Sesc MS em parceria com a SECTUR traz uma programação musical que vai animar o happy hour do comerciário neste 27 de maio.

A partir das 18h30, sobe ao palco o cantor e instrumentista Renato Jackson.

 

Renato Jackson (@renattojackson ) promete uma apresentação que vai animar os presentes, com trabalhos autorais e ecléticos, misturando elementos da MPB, dub-reggae e pop com letras críticas. Músico há mais de 20 anos, ele lança seu primeiro EP neste mês. “Eu” foi feito com muita dedicação e carinho, e tem no repertório mais de 40 músicas.

 

Serviço: Sextou na Praça

Local: Praça Ary Coelho

Horário: a partir das 18h30