FCMS prorroga pagamento da LAB, devido a reestruturação da nova Secretaria de Cultura

A Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) informa que os pagamentos decorrentes da segunda fase da Lei Aldir Blanc sofrerão pequeno atraso, em razão de força maior decorrente da publicação da Lei Estadual n.º 5.652, de 29/04/2021, no Diário Oficial Eletrônico de Mato Grosso do Sul n.º 10.489, de 30/04/2021, pág. 03/11, que entrou em vigor no dia de sua publicação (30/04/2021).

 

“A Lei 5.652/2021 criou a Secretaria de Estado de Cidadania e Cultura (SECC), alterando a vinculação da FCMS à nova Secretaria, reorganizando a estrutura básica do Poder Executivo, o que reflete em alterações na parte contábil da FCMS, mais especificamente na sua unidade gestora (UG), o que nos impede de realizar quaisquer liquidação e pagamentos”, explica Gustavo de Arruda Castelo, Diretor-Presidente da FCMS.

 

“Dessa maneira, informamos que os recursos permanecem na conta da FCMS e tão logo a nova SECC esteja estruturada os pagamentos serão realizados. Contamos com a compreensão de vocês e continuamos sensíveis ao momento delicado que passamos”, finaliza Castelo.

Dia das Mães: dica é o livro de poesias ‘Fases intimistas’, da escritora brasileira Isa Colli

Qual mãe não está se desdobrando para dar conta dos filhos, trabalho, acompanhar as aulas remotas e tantas outras funções que têm se acumulado nessa pandemia? Para aliviar o estresse, nada melhor do que a literatura. E que tal aproveitar que o Dia das Mães está chegando para presenteá-las nesta data tão especial. A dica é o livro ‘Fases intimistas’, da escritora brasileira Isa Colli.

 

A autora, que tem desenvolvido um importante trabalho no Brasil e no exterior com a literatura educativa para as crianças, também traz em suas obras um livro de poemas.

 

‘Fases intimistas’ reúne poesias, contos e reflexões que abordam temas como felicidade, valor da amizade, poder das palavras, memórias, dor, amor e fé, entre outros sentimentos intensos que permeiam a vida da autora.

 

“A poesia é uma arte marcada pela sensibilidade que nos leva a reflexões e acalenta a alma. O livro é uma boa sugestão de presente para as mães, ainda mais neste momento em que estamos carentes de abraços, afagos e qualquer troca de afeto. A poesia pode ajudar a ocupar um pouco esse vazio”, comenta Isa Colli.

 

Livro ‘Fases Intimistas’, da escritora Isa Colli

Editora Colli Books

Preço: R$19,90

https://www.collibooks.com/produto/fases-intimistas-impresso/

 

 

Fonte: Ferraz Comunicação

UEMS/Dourados: Professora de Direito publica livro com tema sobre Renda Básica Universal

A profa. Dra. Vania Mara Basílio Garabini do curso de Direito da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS/Dourados) realizou o lançamento do livro “Direito Fundamental à Renda Básica Universal”, publicado pela Editora Dialética, e que é fruto da tese de doutorado da docente da UEMS.

 

De acordo com ela, a obra oportuniza uma discussão tão necessária quanto contemporânea sobre o que é a Renda Básica Universal e sua proteção constitucional. “As pessoas precisam de dinheiro para viver. No entanto, essa trivialidade não encontra facilmente uma configuração jurídica de asseguramento.

 

Nesse sentido, o texto é um convite à reflexão, ao reconhecimento de um direito fundamental, além de dar a conhecer melhor o conteúdo sobre a renda básica universal que fomenta grandes debates por todo o mundo, dos quais não podemos mais nos privar, informa Vania Mara.

Técnica de visagismo ajuda na construção de imagem; consultor oferece atendimento gratuito

Qual imagem você quer passar? O quanto ela vale para você? Essas são algumas perguntas determinantes para quem está preocupado com a imagem. Para ajudar e, principalmente, identificar potencialidades, existe o visagismo.

 

“O visagismo é a arte de harmonizar elementos físicos e psicológicos com objetos, acessórios e roupas. Inclusive, óculos”, explica o consultor de estilo e visagismo óptico da Oculum, Hugo Cabral.

 

No visagismo, são aplicadas técnicas para harmonizar esteticamente a identidade da pessoa. É um processo em que é possível se conhecer melhor, identificar pontos fracos e fortes e decidir quais podem ser destacados. E isso vale tanto para a beleza exterior quanto interior.

 

Para quem usa óculos, o visagismo ganha contornos ainda mais essenciais, já que o óculos é um acessório que está direto na face. Ou seja, tem um papel de destaque no visual.

 

Hugo Cabral explica que, na hora de escolher os óculos, é necessário levar em consideração o formato do rosto, estilo, tonalidade da pele e os lugares onde o acessório será usado. Se for uma armação com lentes de grau, ainda é preciso avaliar a condição ocular.

 

“São diversos fatores que destacam ainda mais a beleza e oferece também mais conforto. Pequenos detalhes são determinantes para uma escolha segura e assertiva. Todos podem ter sua marca pessoal bem definida e isso, com certeza, pode ser potencializado pelos óculos”, ressalta o profissional.

 

O consultor de estilo e visagismo estará atendendo com hora marcada gratuitamente até a próxima quinta-feira (6), na Oculum Campo Grande, que fica no primeiro piso do Shopping Campo Grande. O agendamento deve ser feito pelo telefone 67 99196-4272.

Aprovado pelo Senado acordo de céus abertos entre Brasil e Suíça, diz Ministério do Turismo

Mais um passo rumo à melhoria da conectividade aérea no Brasil. Foi aprovado nesta semana pelo Senado Federal o Projeto de Decreto Legislativo 634/2019, que ratifica o acordo de céus abertos entre Brasil e Suíça. A iniciativa se soma a outras ações já desenvolvidas pelo governo federal e que, no cenário pós-pandemia, devem contribuir para impulsionar a chegada de turistas internacionais no país, como a isenção de vistos para países estratégicos e a abertura do mercado aéreo brasileiro.

 

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, avalia que o acordo reforça a tendência de avanços no setor aéreo. “Em 2019, o presidente Bolsonaro abriu empresas aéreas brasileiras ao capital estrangeiro e atraiu o interesse de várias companhias em atuar no país. O governo também leiloou recentemente, com grande sucesso, 22 aeroportos, outra mostra da disposição de investidores de operar no país e favorecer o fluxo de turismo”, ressalta.

 

O acordo, assinado em Brasília no ano de 2013 e que segue agora para promulgação, busca estabelecer um marco legal à operação de serviços aéreos e se baseia na política da qual duas nações flexibilizam as regras aplicadas a voos comerciais. Determina que nenhum dos países poderá limitar unilateralmente o volume de tráfego, a frequência, a quantidade de destinos ou a regularidade das atividades da outra parte, exceto por razões de segurança. Conforme o texto, as empresas aéreas das duas nações poderão sobrevoar o território alheio sem pousar e fazer escalas com fins não comerciais e outras destinadas ao embarque e desembarque de passageiros e bagagens.

 

O Brasil já possui pactos semelhantes com Arábia Saudita, Costa Rica e Estados Unidos. As autoridades indicadas para implementar as regras são a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Escritório Federal de Aviação Civil da Suíça. Cada país vai designar por escrito à outra parte as empresas indicadas a operar os serviços, autorização esta que poderá ser revogada em situações específicas, como falhas no controle regulatório da companhia aérea.

 

Ainda conforme o acordo, as nações não deverão dar preferência as suas próprias empresas aéreas em relação a companhias da outra parte. O texto define ainda que cada país poderá solicitar a realização de consultas sobre as normas de segurança operacional aplicadas pela contraparte em aspectos relacionados a instalações aeronáuticas, tripulações de voo, aeronaves e operações destas, cabendo também a inspeção delas.

 

ABERTURA

 

A permissão à participação de 100% de capital estrangeiro em empresas aéreas brasileiras foi sancionada em junho de 2019 pelo presidente Jair Bolsonaro. A medida, defendida por autoridades do Ministério do Turismo, é considerada um marco na aviação civil do país, por estimular a concorrência e eliminar barreiras à entrada de novas companhias no mercado nacional, especialmente as de baixo custo (‘low costs’, em inglês).

 

A Air Europa, da Espanha, foi a primeira companhia internacional low cost constituída com 100% de capital estrangeiro a atuar no Brasil. Além dela, outras três empresas do segmento já receberam autorização da ANAC para operar no país: a norueguesa Norwegian Air, a chilena Sky Airline e a FlyBondi, da Argentina. As companhias poderão atuar em rotas nacionais, aumentando o número de voos regionais e ampliando a oferta de serviços aéreos ao consumidor.

 

Fonte: MTur

Projeto de Extensão Cine Clube UEMS retoma as atividades e abre inscrições

O projeto de Extensão Cine Clube UEMS, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), de Campo Grande, retoma as atividades em 2021 de forma remota, com discussões abarcam temas sociais relevantes que versam sobre a relação entre “Cinema e Educação”. O projeto é voltado para acadêmicos dos cursos de Pedagogia, Letras, Dança e Teatro e outros cursos, bem como a comunidade externa e alunos e professores de escolas estaduais e municipais de Campo Grande e outras cidades.

 

Ao longo de 2021, o projeto irá debater diferentes produções, dos mais diversos países, que mostram como o cinema vai à escola, tratando de temas sociais em que serão organizados em quatro módulos. São eles:

 

  1. Escola nas diferentes culturas;

  2. Escola como espaço de resistência;

  3. Escola como lugar de reprodução dos conflitos sociais, e;

  4. Temas polêmicos na Escola ou da Educação.

 

No mês de maio, será iniciado o módulo “A escola em diferentes culturas”, que durará até setembro de 2021. Com o filme “O jarro”, disponível em no link abaixo:

 

https://www.youtube.com/watch?v=LC-S0fTMY-M&t=454s

 

Os participantes devem assistir o filme citado acima antes do primeiro encontro para discussão.

 

As inscrições para o Cine Clube UEMS vão até 13 de maio pelo link https://forms.gle/fPcvmNfNf8qpph6A9. E o primeiro encontro para discussão será dia 27 de maio, às 16h30 (horário de MS), com disponibilização do link no Meet para os inscritos.

 

Mais informações ou dúvidas pelo e-mail cineclubeuems@gmail.com ou no site do projeto https://cineclubeuems.blogspot.com/2021/04/cineclube-uems-2021.html.

Dos EUA ao Japão, seleção do Cine Sesc para maio tem como tema central o amor

No mês de maio a seleção do Sesc Cultura para as sessões do Cine Sesc traz produções que abordam temáticas como divórcio, amor próprio e infidelidade de forma a conduzir os espectadores por caminhos reflexivos e sensoriais. São filmes franceses, japoneses e estadunidenses com narrativas nada triviais sobre o amor. As sessões são sempre às terças-feiras às 18 horas e às quintas-feiras, às 15h e às 18 horas. O público é limitado a 10 pessoas por sessão, para cumprimento das regras de distanciamento social e o uso da máscara é obrigatório.

 

Na primeira semana, dias 4 e 6/05, será exibido “Custódia” (2017) com direção de Xavier Legrand. Neste longa francês, o casal Miriam e Antoine Besson acabaram de se divorciar. E para garantir a proteção de seu filho do pai, que ela acusa de ser violento, Miriam pede a custódia exclusiva. O juiz, no entanto, acaba concedendo a custódia compartilhada aos dois. Tomado quase como um refém entre seus pais, Julien (Thomas Gioria) fará tudo para evitar o pior.

 

Dias 11 e 13/05 mais uma produção francesa, “À sombra de duas mulheres” (2015), com direção de Philippe Garrel. Pierre (Stanislas Merhar) e Manon (Clotilde Courau) formam um casal de documentaristas que sobrevivem fazendo trabalhos temporários para poder dar suporte aos filmes que desejam realizar. Apesar de estar apaixonado por Manon, Pierre acaba conhecendo Elizabeth (Lena Paugam) e, a partir daí, deseja manter o relacionamento com as duas mulheres. No entanto, as coisas não sairão como ele espera.

 

Nos dias 18 e 20/05, a comédia dramática produzida no Japão e Estados Unidos “Oh Lucy” (2017), de Atsuko Hirayanagi. Setsuko Kawashima é uma mulher solitária que trabalha em um monótomo escritório em Tóquio. Quando vê que precisa sair da rotina, decide estudar inglês, e a partir daí sua vida nunca mais é a mesma. Durante as aulas Setsuko descobre sua outra identidade, o alter ego “Lucy”. Enquanto experimenta desejos e situações antes impensáveis, ela precisa lidar com o desaparecimento do seu instrutor.

 

Na última semana, dias 25 e 27/05, tem a produção franco-japonesa “Esplendor” (2017), dirigida por Naomi Kawase. Neste drama, Misako (Ayame Misaki) é uma cineasta apaixonada pelas versões cinematográficas destinadas a deficientes visuais. Durante a exibição de um dos seus filmes, ela conhece Masaya Nakamori (Masatoshi Nagase), um fotógrafo que está perdendo a sua visão, mas que guarda um acervo de fotografias que atrairá Misako e fará com que ela se conecte com seu passado.

 

O Sesc Cultura está localizado na Avenida Afonso Pena, 2270 – Centro, Campo Grande – MS. Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417. Acompanhe as ações do Sesc Cultura @sescculturams e Facebook/sescculturams.

Biblioteca do Sesc Cultura em Campo Grande tem catálogo online e reservas pelo WhatsApp

Com amplo acervo de títulos, incluindo materiais em inglês, a biblioteca do Sesc Cultura, em Campo Grande, conta com ferramentas que facilitam a escolha e reserva dos títulos. O catálogo é disponibilizado no site Bibliotecas Sesc, as reservas são feitas pelo WhatsApp (67) 3311-4417 e o acesso físico é liberado apenas para devoluções e retirada de livros e filmes.

 

Seguindo os protocolos de biossegurança, o uso de máscara é item obrigatório, além da higienização das mãos com álcool em gel, e aferição de temperatura. Os materiais devolvidos ainda passam 14 dias em quarentena e são manuseados com luvas. Livros são disponibilizados com prazo de 14 dias e filmes 4 dias, com horário agendado para a retirada. Para realizar os empréstimos, é preciso ter o cartão Sesc que não tem custo e ainda oferece outros benefícios e pode ser feito de forma online ou na hora do atendimento.

 

A biblioteca do Sesc Cultura tem acesso gratuito e é única no Estado com conteúdo dedicado exclusivamente à cultura e às artes, além de contar com títulos adquiridos pelo projeto American Corner (Esquina Americana) com livros da literatura em inglês e livros acadêmicos e de proficiências dos EUA.

 

O Sesc Cultura está localizado na Avenida Afonso Pena, 2270 – Centro, Campo Grande – MS. Informações pelo telefone (67) 3311-4300 ou pelo WhatsApp (67) 3311-4417.

Com foco na terceira idade, Oficinas Culturais da UFGD proporcionam atividades na pandemia

Resguardar-se em casa, saindo apenas para atividades essenciais, é uma das principais medidas de biossegurança para barrar o contágio pelo novo coronavírus. No entanto, para alguns grupos, estar em casa não significa proteção e boa saúde em todos os aspectos. Idosos, por exemplo, precisam de atenção redobrada, pois o distanciamento social pode afetar tanto sua condição física quanto mental, gerando solidão, ansiedade, estresse e depressão.

 

Além disso, doenças preexistentes como hipertensão e diabetes podem ter complicações pela falta de movimentação constante e a ausência de incentivo a exercícios físicos. Desta forma, um dos focos das Oficinas Culturais Web 2021 da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) é propiciar ao público da terceira idade atividades que trabalhem o corpo e a mente sem a necessidade de sair de casa.

 

Iniciadas no mês de março, duas das dez oficinas abertas neste semestre têm como principal público-alvo pessoas com mais de 60 anos. O curso “Hortas domésticas como forma de melhoria da saúde mental de idosos durante a pandemia” é uma dessas iniciativas.

 

Por meio de videoaulas de curta duração, a oficina aborda técnicas para a produção de hortas caseiras e maneiras de reutilizar resíduos domiciliares como cascas de alimentos e materiais recicláveis. Ministrada pela acadêmica Elza Jeieli Braga de Souza, que está no terceiro semestre da graduação em Gestão Ambiental, a oficina é aberta a quem tiver interesse, bastando realizar a inscrição em seu canal na plataforma YouTube: Oficina da Reciclagem – https://www.youtube.com/channel/UCIALG_tFKKE9d1RATfIb2SA.

 

Com pelo menos um novo vídeo a cada semana, o canal já tem 43 inscritos e alguns espectadores fiéis. Os que se interessam em aprofundar os conhecimentos mantêm contato direto com a estudante, que se diz feliz com o retorno recebido. “Deixo sempre meu contato para que, se surgirem dúvidas, eles possam tirar diretamente comigo. Tem gente no Pará assistindo meus vídeos, estou bem feliz”, comemora.

 

Elza, que já é técnica em Meio Ambiente pelo Instituto Federal do Pará (IFPA), diz que a ideia de repassar o conhecimento que tem sobre hortas e reciclagem surgiu de sua própria rotina, já que a separação do lixo é prática comum em sua casa. “Comecei a pesquisar o que fazer com resíduos como óleo, garrafas de vidro e outros materiais e, por conta da pandemia, resolvi também fazer uma horta em casa, já que eu estava sem poder sair de casa e com muito tempo livre”, conta.

 

“Foi uma forma de ocupar a cabeça e tem sido uma experiência maravilhosa e gratificante, pois pessoas de fora, familiares e amigos vêm me parabenizar pela iniciativa, que, pra mim é algo muito simples e que posso dividir com os outros”, finaliza a acadêmica.

 

MOVIMENTAR-SE É PRECISO

 

Como desdobramento do projeto de extensão Travessias, do curso de Educação Física, a oficina Danças Brasileiras também tem foco na terceira idade, especificamente nos residentes do Lar do Idoso de Dourados, instituição de longa permanência para idosos em vulnerabilidade e risco social.

 

Por meio de aulas gravadas em vídeo, a estudante do oitavo semestre de Psicologia, Simone Bitencourt Munhoz, é quem organiza as coreografias, baseadas em movimentos simples, porém importantes, para que, principalmente os idosos com limitações físicas, consigam realizá-las.

 

Como o Lar do Idoso não vem permitindo a entrada de pessoas externas ao local, por ser o grupo de residentes de extremo risco, Simone conta com a parceria do psicólogo Paulo Ramsés da Costa, que atua na instituição. Toda semana, um ou mais vídeos são enviados ao profissional, que os exibe aos idosos durante os momentos coletivos de lazer. Para os que não querem dançar ou seguir os movimentos, a acadêmica disponibiliza desenhos com formas e figuras relacionadas à dança, para que façam pintura escutando a música.

 

“O ideal desse projeto, sem dúvida, é que fosse realizado presencialmente. Mas com a pandemia tudo parou e tive que adaptá-lo para o formato a distância. De qualquer maneira, qualquer tipo de exercício físico para os idosos é bem-vindo. Movimentar a cabeça, as pernas, os braços, tudo é válido e muito importante também do ponto de vista da saúde mental”, explica Simone.

 

Com a ajuda de Paulo, a estudante fez uma enquete com os potenciais participantes da oficina, a fim de saber que tipos de música gostariam de ter nas aulas. E teve de tudo um pouco nas respostas: música brasileira, forró, vanerão e até polca paraguaia. Atualmente, 36 idosos, com idades entre 62 e 103 anos vivem no Lar.

 

“Eu faço alguns vídeos sentada, mostrando os movimentos da forma como eles também podem fazer. Às vezes apresento algum convidado, alguém tocando violão, por exemplo, e assim vamos tentando levar algum tipo de entretenimento a eles”, diz a oficineira que já foi passista e rainha de bateria de escola de samba e tem longa experiência com a dança.

Oficinas Culturais
Simone, que já foi passista e madrinha de bateria de escola de samba, hoje cursa Psicologia na UFGD e ministra oficinas de dança voltadas à terceira idade