Luzia Dvorek lança videoclipe de “Parece Vício”, de Zeca Baleiro e Targino Gondim

A cantora Luzia Dvorek lança em seu canal oficial do Youtube o clipe de Parece Vício, canção inédita composta por Zeca Baleiro em parceria com Targino Gondim. A música é um dueto com o próprio Zeca e faz parte do álbum CANJERÊ lançado por Luzia em 2020, pouco antes do início da pandemia.

 

“Conversei com Zeca e ficamos com vontade de fazer um clipe. Sem poder se encontrar fisicamente, pensei em apresentar algo diferente, que possibilitasse um encontro, mesmo que virtual. Nasceu daí a ideia da animação, de criar um desenho animado”, conta a cantora sobre o processo de criação do clipe.

 

Zeca Baleiro, cinéfilo, trouxe referências de seu imaginário e a dupla de artistas decidiu explorar o universo do cinema mudo. Convidaram então o diretor Marcos Faria que aprofundou a pesquisa e, inspirado nas décadas de 1930/1940, criou a animação em PB para o clipe.

 

O videoclipe está hospedado no canal:

www.youtube.com/luziadvorek

Corpomancia: oficina para educadores mostrará como usar jogo de dança em sala de aula

Cada vez mais é necessário utilizar de novos mecanismos para estimular o ensino em sala de aula. Com esse objetivo, o Conectivo Corpomancia idealizou a oficina O Corpo em Jogo para apresentar o jogo Corpomancia que é uma ferramenta para potencializar o aprendizado em ambiente escolar. Ela acontece nos meses de março e início de abril. A prioridade de inscrição é para educadores da rede municipal de ensino e pode ser feita através do site www.jogocorpomancia.com.br/.

 

A proposta tem como objetivo aproximar a dança do universo escolar proporcionando o contato de professores e alunos com recursos lúdicos para a descoberta do movimento no corpo, que podem não somente servir como inspiração às aulas de arte/dança, mas também como recurso para as mais diversas áreas de conhecimento dentro do campo das artes e da educação.

A oficina O Corpo em Jogo será totalmente online e gratuita, com carga horária de 20 horas. Haverá duas turmas com limite de participantes, uma com aulas às quartas-feiras de março (dias 3, 10, 17, 24 e 31) e outra com aulas às quintas-feiras de março (dias 4, 11, 18 e 25) e primeira quinta-feira de abril (dia 1º). As aulas serão sempre a partir das 18h30min.

 

“Nós vamos apresentar o jogo, mostrar como funciona, jogar e nos aprofundar nele, que é uma ferramenta com o propósito de potencializar o ensino dentro da sala de aula. Queremos descobrir juntos com os participantes os melhores caminhos para utilizá-lo, vai ser uma oficina de colaboração mútua”, reflete a artista da dança Paula Bueno, que também criou o jogo.

 

Apesar de ter um público-alvo, caso sobrem vagas, qualquer pessoa que tiver interesse pode participar. Além de Paula Bueno, as artistas da dança e integrantes do Conectivo Corpomancia, Franciella Cavalheri e Jackeline Mourão, ministrarão as aulas.

 

Ainda haverá uma roda de conversa presencial após a finalização do período online, no dia 3 de abril, das 14h às 18h, com a presença das artistas da dança para troca de experiência sobre o jogo e a sua aplicabilidade na escola. O encontro será na Casa de Ensaio e obedecerá às normas de biossegurança estabelecidas pela OMS (Organização Mundial de Saúde) em virtude da pandemia de Covid-19.

 

Este projeto foi contemplado com recursos da Lei Aldir Blanc, através do edital Morena Cultura e Cidadania, promovido pela Sectur (Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, por meio da Prefeitura Municipal de Campo Grande

 

O jogo

 

O jogo Corpomancia é um percurso de tabuleiro, onde se participa de duas a quatro pessoas ou times de jogadores, que devem sortear dados para se mover através das casas e realizar os desafios propostos. O número sorteado é o mesmo número de partes do corpo que vão guiar o movimento do jogador durante sua rodada.

 

Ele foi criado durante a graduação da faculdade de design de Paula. “Entrei em contato com a pesquisa de Rudolf Laban (um dos grandes pensadores/criadores do século XX na experimentação dos fatores de movimento) e no primeiro momento achei limitante como ele classificou os fatores do movimento – espaço, peso e tempo –, mas depois de me aprofundar vi que trazia luz aos movimentos. Logo após eu começar a estudá-lo um professor passou um trabalho que envolvia cinestesia, então conversei com uma colega sobre a dificuldade que as pessoas têm em se movimentar e aí surgiu a ideia de criar o jogo”, lembra a artista.

 

Nessa época ainda não tinha o nome Corpomancia. “Ele ainda era uma teoria, tinha ideia das cartas, dos desafios. Quando me juntei com outros artistas foi amadurecendo e fomos aprimorando sua potencialidade. A partir daí se tornou um jogo-espetáculo e surgiu o Conectivo Corpomancia”, recorda.

 

Para Franciella, Corpomancia é um recurso de abordagem lúdica que pode ajudar bastante nos mais diversos campos de aprendizado, já que traz a consciência corporal. “Podemos relacionar os fatores abordados no jogo com o conteúdo passado em sala de aula, já que ele leva à consciência corporal do jogador, dando autonomia psicomotora. Deste modo, eventualmente, pode ser conectado com diversas abordagens dentro da escola”, afirma.

 

Quem tiver interesse em conhecer o jogo e não puder participar da oficina pode acessar o site www.jogocorpomancia.com.br/ para ler as regras e baixar gratuitamente o tabuleiro. O Conectivo Corpomancia também o vende já com os dados, pinos e tabuleiro.

 

A Casa de Ensaio fica na rua Visconde de Taunay, 203 – esquina com Avenida Afonso Pena –, no bairro Amambaí.

 

Fotos:  Conectivo Corpomancia)

Espaços: Secretaria Especial da Cultura inaugurou 15 Estações Cidadania em 2020

As Estações Cidadania – Cultura integram num mesmo espaço, programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços socioassistenciais, políticas de prevenção à violência e de inclusão digital, para promover a cidadania em territórios de alta vulnerabilidade social das cidades brasileiras.

 

Em 2020 foram entregues 15 Empreendimentos do Programa Estações Cidadania – Cultura, com investimentos de R$ 44,2 milhões, sendo R$ 36 milhões de repasse do Governo Federal. As cidades atendidas foram; Cruz das Almas – (BA), Santo Antônio de Jesus – (BA), Teófilo Otoni – (MG), Ponta Porã – (MS), Cametá – (PA), Cabo de Santo Agostinho – (PE), Recife – (PE), Picos – (PI), Campos dos Goyatacazes – (RJ), Itaboraí – (RJ), Mesquita – (RJ), Nova Iguaçu – (RJ), Caxias do Sul – (RS), Ijuí – (RS) e Palhoça – (SC).

Cinema, Conversation Club e artes visuais, tudo na programação gratuita do Sesc Cultura

A semana do Sesc Cultura tem cinema, Conversation Club e artes plásticas em uma programação inteiramente gratuita. A unidade segue todas as normas de biossegurança, com distanciamento, limitação de público e uso obrigatório de máscaras.

 

Para comemorar o ano em que o diretor e roteirista italiano Federico Fellini completaria seus 101 anos, o Sesc Cultura preparou o especial  Mondo Fellini, com exibições às terças, às 19h e às quintas-feiras, às 15h e às 19 horas. Nesta semana, será exibido o longa “Oito e meio” (1963).

 

E nesta semana o Sesc Cultura retoma os encontros do Conversation Club e no dia 23, às 19 horas, vai discutir o tema “Black History Month”. A participação é gratuita, e será realizada presencialmente com capacidade limitada e com todas as medidas de biossegurança.

 

E para quem gosta de Artes Visuais têm à exposição “Entrega” com obras de Thetis Selingardi, com visitação de segunda à quinta do 12h30 às 21h30 e sexta-feira das 9h às 18h.

 

O  Sesc Cultura oferece acesso livre à Biblioteca, que é climatizada e internet wifi, com acervo dedicado à cultura e às artes, abrangendo conteúdo para todas as idades. Disponibiliza também livros do projeto American Corner de proficiência e acadêmico dos EUA, livros em inglês da literatura norte-americana, além de livros regionais e filmes em formato DVD. O catálogo pode ser consultado no site http://sesc.ms/bibliotecas/ Reservas de empréstimo pelo WhatsApp 3311-4417 o funcionamento é de terça a sábado das 12h às 21h.

 

Sinopse

 

Prestes a rodar sua próxima obra, o cineasta Guido Anselmi ainda não tem ideia de como será o filme. Mergulhado em uma crise existencial e pressionado pelo produtor, pela mulher, pela amante e pelos amigos, ele se interna em uma estação de águas e passa a misturar o passado com o presente, ficção com realidade. Confira o Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=jUc4oHnFBnc

Cauby Peixoto, cantor símbolo do rádio, ganha homenagem no mês em que faria 90 anos

A Fundação Nacional de Artes – Funarte presta homenagem a Cauby Peixoto, referência da música popular brasileira e considerado o cantor símbolo do rádio. Neste mês, ele completaria 90 anos de idade. O artista nasceu no dia 10 de fevereiro de 1931 e nos deixou em 2016, aos 85 anos, vítima de uma pneumonia. Canções como Conceição (1956), Nono mandamento (1958) e Bastidores (1980) foram eternizadas na voz do cantor durante os seus 65 anos de carreira.

 

Cauby Peixoto nasceu em Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, e faleceu no dia 15 de maio de 2016, em São Paulo (SP). O cantor nasceu numa família de músicos: pai violonista, tio pianista e primo cantor. Os irmãos também deram continuidade à trajetória da família. Araken (1930-2009) era trompetista, Moacyr (1920-2003) pianista, e Andyara é cantora. Na infância, Cauby participava do coro da igreja na companhia dos irmãos.

 

O cantor iniciou sua carreira em 1949, como calouro do programa Hora do Comerciário, da Rádio Tupi. Em 1951, ainda no Rio de Janeiro, gravou seu primeiro disco, com o samba Saia Branca e a marchinha Ai que Carestia. Em 1952, mudou-se para São Paulo, onde passou a trabalhar como crooner (cantor que interpreta todos ou vários gêneros musicais) em boates. Cauby e os irmãos formaram o Quarteto G9, para apresentação na antiga emissora PRG-9, no programa de Hebe Camargo (1929-2012), e na Rádio Nacional, em São Paulo.

 

Em 1954, o artista gravou a versão em português do fox Blue Gardenia, de Lester Lee (1904-1956) e Bob Russell (1914-1970), sucesso na voz de Nat King Cole (1919-1965). Logo depois, retornou ao Rio de Janeiro e assinou contrato com a Rádio Nacional e a Rádio Mayrink Veiga. Numa viagem aos Estados Unidos, o cantor gravou sob o pseudônimo de Ron Coby e, assim, se aproximou dos músicos Stan Kenton (1911-1979), Bing Crosby (1903-1977), Nat King Cole e Frank Sinatra (1915-1998).

 

Cauby retornou ao Brasil em 1956 e, além do trabalho na Rádio Nacional, gravou discos pela Columbia com repertório de toadas, xotes, boleros e sambas-canção, dentre eles Conceição, de Jair Amorim (1915-1993) e Dunga (1907-1991), que se torna uma marca na carreira do cantor. Foi um dos primeiros cantores a gravar o gênero musical rock’n’roll em português, lançando Rock’n’roll em Copacabana (1957), obra de Miguel Gustavo (1922-1972).

 

Com a chegada da bossa nova, entre os anos de 1960 e 1970, Cauby Peixoto viveu um período de “ostracismo” sendo associado à música brega. Mesmo com as adversidades, gravou um repertório do novo estilo musical, como as canções: Samba do Avião, de Tom Jobim (1927-1994); Berimbau, de Baden Powell (1937-2000) e Vinicius de Moraes (1913-1980); Só Quis Você, de Roberto Menescal (1937) e Ronaldo Bôscoli (1928-1994); e Garota de Ipanema, de Vinicius e Tom.

 

Em 1979, Cauby despontou ao estrelato, novamente, ao receber um convite de Elis Regina (1945-1982) para gravarem juntos Bolero de Satã (Guinga e Paulo César Pinheiro, 1976), para o seu disco ElisEssa Mulher (1979). Nos anos de 1980, lançou CaubyCauby!, com faixa-título de Caetano Veloso (1942), composta para o próprio Cauby; Bastidores, de Chico Buarque (1944); Dona Culpa, de Jorge Benjor (1942); e Loucura, de Joanna e Sarah Benchimo (1950). Em 1982, lançou com Ângela Maria (1929) o LP Ângela e Cauby. No ano 2000, foi a vez do CD Meu Coração É um Pandeiro, que reúne canções de Paulinho da Viola, de D. Ivone Lara, entre outras.

 

No ano de 2006, o artista recebeu uma homenagem memorável e que o emocionou muito: o musical Cauby. O espetáculo, sucesso de crítica e de público, foi escrito por Flávio Marinho e apresentava cenários de Daniela Thomas. O cantor foi interpretado pelo ator Diogo Vilela.

 

Sucessos como Deusa da Minha Rua e Serenata (Sílvio Caldas); Conceição (Jair Amorim e Valdemar de Abreu, 1956); Nono mandamento (René Bittencourt e Raul Sampaio, 1958), e Bastidores (Chico Buarque, 1980) estão entre as interpretações mais marcantes de sua trajetória musical.

 

Cauby Peixoto tinha um estilo próprio e que o diferenciava dos demais artistas. Tanto na voz, quanto no figurino. O cantor possuía um timbre de voz de barítono de tom aveludado, com fluência tanto nos graves quanto nos agudos, com uma rara afinação que se adaptava a diversos gêneros musicais. Cauby fazia uso de perucas e vestia figurinos luminosos, o que deixava os fãs ainda mais apaixonados pelo seu estilo peculiar.

 

A Fundação Nacional de Artes – Funarte presta homenagem ao talento e à representatividade do eterno cantor símbolo do rádio, Cauby Peixoto, que teria completado 90 anos no último dia 10, se estivesse vivo.

 

Fonte: Funarte

Oito em em cada 10 turistas internacionais aprovaram a gastronomia brasileira em 2019

O tempero brasileiro parece ter caído no gosto do turista internacional que esteve em nosso país no ano de 2019. É o que aponta a Demanda Turística Internacional realizada pelo Ministério do Turismo, por meio da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O levantamento revela que os visitantes estrangeiros aprovaram com louvor a culinária de todos os cantos do Brasil. Os sabores do Mato Grosso do Sul, por exemplo, receberam nota 8,8, a maior entre as Unidades da Federação.

 

A gastronomia brasileira é uma das apostas do Ministério do Turismo para retomada do setor doméstico no período pós-covid. Pensando nisso, o MTur assinou, em dezembro de 2020, um acordo com o Instituto Federal de Brasília (IFB) para realização de projeto de pesquisa com vistas a subsidiar e apoiar o Programa Nacional de Turismo Gastronômico, desenvolvido pela pasta. Relatórios da Organização Mundial do Turismo (OMT) apontam que a gastronomia figura como um dos três motivadores essenciais para a escolha de um destino turístico, atrás apenas de cultura e natureza.

 

“Somos um país com sabores e temperos únicos. Temos um potencial enorme para nos destacar no cenário mundial e é para isso que temos trabalhado, unindo esforços com outros atores e elaborando projetos que consigam transformar todo esse potencial em realidade”, comenta o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto.

 

CIDADES CRIATIVAS

 

No Brasil, quatro cidades ostentam o título de cidades criativas no segmento gastronomia: Belo Horizonte, Florianópolis, Belém e Paraty. A rede mundial de cidades criativas da Unesco foi criada em 2004 com o objetivo de promover a cooperação, inclusive internacional, entre as cidades que têm a criatividade como estratégia para alcance dos objetivos sustentáveis da ONU.  São sete categorias: artesanato e artes folclóricas, design, cinema, gastronomia, literatura, artes midiáticas e música.

 

 

ESTADO GASTRONOMIA
ALAGOAS 8,1
AMAZONAS 8,3
BAHIA 8,3
CEARÁ 8,1
DF 8,4
ESPÍRITO SANTO 8,5
GOIÁS 8,6
MINAS GERAIS 8,6
MATO GROSSO DO SUL 8,8
PARÁ 8,2
PERNAMBUCO 8,1
PARANÁ 8,6
RIO DE JANEIRO 8,2
RIO GRANDE DO NORTE 8,2
RIO GRANDE DO SUL 8,6
SANTA CATARINA 8,5
SÃO PAULO 8,5

Startup nacional vence competição global de inovação em turismo da OMT

Estamos abrindo portas para que o nosso propósito de ser uma rede global de apoio à mulher que viaja se internacionalize e impacte a vida de muitas mulheres ao redor do mundo”. O depoimento entusiasmado é de Jussara Botelho, CEO da Sisterwave, plataforma online de Brasília (DF) que conecta mulheres viajantes e moradoras dos destinos visitados e que acaba de vencer a 3ª Competição Global de Startups da Organização Mundial do Turismo (OMT) na categoria de equidade de gênero.

 

O concurso, realizado em parceria com o Wakalua Innovation Hub – primeiro polo global de inovação em turismo -, reuniu cerca de 10 mil propostas de 138 países e consagrou 25 projetos de 18 nações, destacando a capacidade de contribuir para os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS (Confira aqui os vencedores). Finalista do 1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo, promovido em 2020 pelo Ministério do Turismo e o Wakalua e que a habilitou a disputar o evento da OMT, a Sisterwave permite às usuárias se cadastrar para se hospedar na casa de mulheres ou ser anfitriã.

 

Jussara Carvalho comemora a conquista e incentiva a busca por inovação no turismo. “É a primeira vez que uma startup brasileira é campeã dessa competição da OMT. A gente traz a equidade de gênero para o turismo, permitindo que a mulher possa viajar com mais liberdade, autonomia, e gerando renda para a moradora local. Estamos muito felizes com esse resultado e queremos incentivar outras startups a inovar no turismo, a utilizar a tecnologia e a criatividade. Existem muitas soluções para serem desenvolvidas”, aponta.

 

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, parabeniza a Sisterwave pela vitória e garante empenho por avanços. “É gratificante saber que uma ideia brasileira conseguiu se destacar em meio a tantos projetos”, ressalta.

 

SUPORTE

 

Os vencedores da competição global terão benefícios como acesso à rede de inovação da OMT e apresentação a estados-membros da entidade e investidores. O secretário-geral da organização, Zurab Pololikashvili, destaca a importância do trabalho voltado à inovação no setor. “Os vencedores mostram o poder de novas ideias para transformar nosso setor. Ao adotar a inovação, podemos concretizar esse potencial e construir um futuro melhor para as pessoas e o planeta por meio do turismo”, observa.

 

As campeãs do evento da OMT contarão com suporte especializado e apoio para se desenvolverem ainda mais, incluindo programas de mentoria da Amadeus – uma das maiores companhias mundiais de tecnologia e viagens -, do Google e da Mastercard. O diretor-geral do Wakalua, Lisandro Menu-Marque, aposta no surgimento de novas soluções. “A decolagem do turismo pós-Covid está cada vez mais perto. A implementação de muitas das soluções inovadoras, que nos trouxeram empresários de todo o mundo, fará parte disso”, ressalta.

 

Os campeões da competição global também serão convidados a participar neste ano de um evento de apresentação a ser organizado pelo Wakalua no âmbito da Feira Internacional de Turismo de Madri (Fitur), além de um evento semelhante que ocorrerá durante o Tourism Tech Adventures Forum, no Catar.

 

As 25 vencedoras da disputa da OMT, selecionadas por um júri de líderes do turismo mundial, sugerem soluções diferenciadas para o avanço dos ODS, sendo que as Américas lideraram a apresentação de propostas vitoriosas (9).

 

DESAFIO BRASILEIRO

 

Em 2020, o Ministério do Turismo lançou o “1º Desafio Brasileiro de Inovação em Turismo”, em parceria com o Wakalua. A iniciativa, que reconheceu soluções voltadas à retomada do setor, recebeu inscrições de quase 800 projetos de startups nacionais. Os 10 melhores projetos foram classificados para as semifinais da competição global da OMT, incluindo a Sisterwave. O evento da Organização Mundial do Turismo também teve entre os finalistas a Worldpackers, de São Paulo, e a Smart Tour Brasil, de Santa Catarina, respectivamente nas categorias de redução das desigualdades (ODS 10) e saúde e bem-estar (ODS 3).

 

Primeira colocada no evento nacional, a Worldpackers é uma plataforma online que conecta viajantes e anfitriões de todo o planeta por meio do voluntariado, de forma que os turistas convertam a oferta de habilidades em troca de acomodação e experiências locais. Já a Smart Tour oferece uma plataforma para rastrear viajantes infectados pelo novo coronavírus. Por meio de QR Code, o sistema identifica estabelecimentos e pessoas que tiveram contato com indivíduos testados positivos antes do diagnóstico.

 

Além do desafio nacional de inovação, a parceria entre Ministério do Turismo e Wakalua tem por objetivo o desenvolvimento de uma estratégia de inovação no Brasil para o setor de turismo. “A cooperação com o Wakalua inclui ainda a abertura de um hub da entidade no Brasil, o que será um marco na busca pela inovação no turismo no governo Bolsonaro”, destaca o ministro Gilson Machado Neto.

 

Fonte: MTur

Incremento à economia criativa: Funarte busca investimentos para o interior do país

A Fundação Nacional de Artes – Funarte vai incrementar a economia criativa das cidades do interior do Brasil. Para isso, o pontapé inicial já foi dado, logo no primeiro mês de 2021, com uma série de visitas feitas pelo presidente da Fundação, Lamartine Barbosa Holanda, a municípios do estado de São Paulo. A iniciativa faz parte de um apanhado de ações estratégicas que visam a aumentar o escopo de atuação da Funarte.

 

Em janeiro, Lamartine debateu parcerias com institutos, prefeituras e secretarias de cultura, passando pelas cidades de São José dos Campos, Piracicaba, Sorocaba, Embu das Artes e Taboão da Serra. Ele prometeu ir, ainda, a Santa Isabel, também no interior do estado de São Paulo, nas próximas semanas.

 

Apesar de ter sido instituída como nacional, atualmente o trabalho da Funarte se dá por meio das regionais, localizadas nas capitais do Rio de Janeiro, de São Paulo, Minas Gerais e do Distrito Federal. Agora, a ideia é manter o que já vem sendo feito nos grandes centros do país e ampliar para municípios menores – que necessitam de mais incentivos para desenvolver programas de arte e cultura.

 

Sobre isso, em entrevista ao jornal “A Tribuna Piracicabana”, o presidente Lamartine comentou que uma das formas de levar esses projetos para o interior é transformando municípios com potencial cultural, como Piracicaba, em capacitadores de cidades menores do entorno; e destacou também que, mesmo durante a pandemia, a Fundação tem planejado e estruturado a economia criativa. Um dos exemplos disso são os programas de qualificação de produtores culturais, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

 

Ainda de acordo com o presidente Lamartine, sua gestão está empenhada em colocar a Funarte para atuar em todas as regiões do país. Essa é uma das diretrizes principais do trabalho para este e os próximos anos. “A nossa instituição é de todos os brasileiros”, finalizou.

 

A Funarte é o órgão do Governo Federal cuja missão é promover e incentivar a produção, a prática, o desenvolvimento e a difusão das artes no país.

Na oficina virtual infantil do Sesc Cultura, criançada vai modelar em argila, no sábado

Neste sábado, 20 de fevereiro, o Sesc Arte para Crianças terá Modelagem em argila com a arte do escultor italiano Amadeo Modigliani. A atividade é na modalidade virtual, em atenção às normas de segurança em função da pandemia. A postagem do vídeo será às 9 horas, nas mídias sociais @sescculturams e Facebook/sescculturams

 

A criançada vai conhecer desta vez o pintor italiano de traços bem peculiares, pintando retratos femininos sempre com pescoços alongados, à maneira das máscaras africanas. Durante a aula, vão interpretar as pinturas de Modigliani e modelar um relevo em argila.

 

Para a atividade, é preciso dos seguintes materiais:  1 caixa de sapato, 1 potinho com água, 1 Kg de argila escolar, 2 folhas sulfite, 1 lápis para desenhar e 2 palitos de dente.